PUBLICIDADE
Topo

Mais um vice-prefeito é assassinado a tiros nas Filipinas

12/07/2018 00h52

Manila, 12 jul (EFE).- O vice-prefeito do município de Sapa-Sapa, Al-Rashid Mohammad Ali, foi assassinado na noite de quarta-feira, na cidade de Zamboanga, no sul das Filipinas, se tornando o sexto político que morre de forma violenta nos últimos dez dias no país.

Ali, de 53 anos, recebeu diversos tiros enquanto guiava seu carro em direção a sua residência, da mesma forma como foram assassinados na semana passada outras duas autoridades locais.

O político foi levado para o Hospital de Zamboanga após ser atingido por três tiros no peito, mas foi declarado morto ao chegar na unidade de saúde, segundo informam hoje os veículos de imprensa filipinos.

Ele viajava com vários parentes no veículo, mas os únicos atingidos pelos disparos foram o vice-prefeito e seu segurança pessoal.

De acordo com o relatório policial, quando o veículo de Ali desacelerou, o assassino se aproximou e disparou para depois correr para outro lado da pista, onde uma moto conduzida por outra pessoa o aguardava.

A polícia já abriu uma investigação e suspeita que a morte do político tenha a ver com sua intenção de disputar as eleições para prefeito, marcadas para maio do próximo ano, afirmou hoje o chefe da Polícia Nacional, Oscar Albayalde.

No último sábado, foram assassinados três autoridades locais: o vice-prefeito de Trece Martires, Alex Lubigan; e os vereadores de Zamboanga e Kapatagan, Michael Magallanes, e Nassif Palawan Bansil, respectivamente, ambos no sul da ilha de Mindanao.

A primeira destas mortes violentas de políticos locais foi a do prefeito de Batangas, Antonio Halili, baleado no dia 2 deste mês, durante uma cerimônia oficial em frente a prefeitura.

No dia seguinte foi assassinado o prefeito de General Tinio, Ferdinand Bote, enquanto viajava em seu carro.

Todos estes crimes estão ainda sob investigação policial, embora as autoridades suspeitam que o assassinato de Halili tenha relação com o tráfico de drogas.

Por enquanto, não há indícios de que o restante dos políticos locais assassinados tivessem alguma ligação com o narcotráfico, e uma relação entre esses crimes está descartada.

O assassinato de Lubigan, no último sábado, aconteceu no dia seguinte de seu anúncio de que disputaria as eleições municipais de Trece Martires.

Desde que Rodrigo Duterte assumiu a presidência, há dois anos, pelo menos 11 prefeitos e seis vices foram assassinados nas Filipinas, algo que a oposição e defensores dos direitos humanos atribuem à política de impunidade que o chefe de Estado estabeleceu no país com sua violenta guerra contra as drogas.