PUBLICIDADE
Topo

Estado da Califórnia registra o pior incêndio da sua história

06.ago.2018 - Fogo no Spring Valley queimam pelo menos duas casas, na Califórnia - Kent Porter/The Press Democrat via AP
06.ago.2018 - Fogo no Spring Valley queimam pelo menos duas casas, na Califórnia Imagem: Kent Porter/The Press Democrat via AP

07/08/2018 04h09

Um incêndio florestal que começou no dia 27 de julho na região de Mendocino se transformou na segunda-feira no mais grave na história da Califórnia (Estados Unidos), após ter arrasado 114.850 hectares de terra.

Com esta última atualização, o fogo superou os 113.800 hectares devastados nos condados de Ventura e Santa Barbara pelo incêndio "Thomas", no ano passado.

"Quebramos um recorde. Este é um daqueles recordes que você não gostaria de ver", disse ao jornal local "Los Angeles Times" o subdiretor do Departamento Florestal e de Proteção contra Incêndios da Califórnia (Cal Fire), Scott McLean.

Apenas 30% do incêndio no complexo de Mendocino e que tem dois focos (Ranch e River) foi contido, informou o Cal Fire. As autoridades esperam apagar totalmente as chamas na próxima semana.

"Estamos à mercê do vento", reconheceu o capitão Thanh Nguyen, porta-voz do Cal Fire no condado de Lake.

"Tragicamente, toda esta área está realmente seca e é muito difícil extinguir as chamas", acrescentou.

O aumento vertiginoso do tamanho do incêndio nos últimos dias, que aconteceu à noite, quando as chamas geralmente se acalmam, surpreendeu até mesmo os próprios bombeiros.

"Ele se propaga extremamente rápido, é extremamente agressivo e perigoso", disse McLean.

O fato provocou várias evacuações nos condados de Mendocino, Lake e Colusa, mas não danificou tantos edifícios como outros que ainda estão ativos no estado, porque se espalhou para áreas remotas.

Por enquanto, destroçou 143 edifícios e ameaça outras 9,3 mil estruturas. Um total de 432 caminhões de bombeiros, 15 helicópteros e cerca de 4 mil agentes combatem as chamas.

Segundo os especialistas, anos de seca criaram as condições ideais para que os incêndios florestais em grande escala se alastrassem em um ritmo mais rápido. Dos cinco maiores incêndios florestais na história do estado, quatro ocorreram após o ano de 2012.

Nos últimos dois dias, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, expressou suas ideias no Twitter sobre a maneira de combater o fogo.

Trump afirmou que o governador da Califórnia, Jerry Brown, "deveria permitir um livre fluxo da grande quantidade de água que vem do norte e que é estupidamente desviada para o Oceano Pacífico".

Atualmente há 18 grandes incêndios na Califórnia, que, no total, arrasaram cerca de 230 mil hectares. O incêndio "Carr", perto da cidade de Redding, culminou com a morte de sete pessoas e destruiu mais de 1 mil casas.

Os meteorologistas emitiram alertas de emergência pelas altas temperaturas que viverão no condado de Los Angeles, onde ultrapassarão os 42 graus esta semana em áreas como Woodland Hills.

No final de julho, Brown declarou estado de emergência para os condados de Riverside, Shasta e Mariposa.

Pouco depois Trump assinou o estado de emergência para a Califórnia, mostrando que o governo federal está pronto para fornecer assistência adicional no combate aos fogos.

De acordo com dados do Cal Fire, o ano passado teve uma das temporadas de incêndios mais devastadores para este estado, com 46 mortos e cerca de 559 mil hectares consumidos por aproximadamente 9 mil fogos florestais que destruíram 10,8 mil estruturas.