PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Em mensagem, Xi pede unidade diante de período de "grandes mudanças"

31/12/2018 11h11

Pequim, 31 dez (EFE).- O presidente da China, Xi Jinping, pediu união em 2019, um ano que será marcado por "desafios e oportunidades" e, sobretudo, por um "período de grandes mudanças no mundo no último século", em mensagem de fim de ano divulgada nesta segunda-feira.

O líder disse que "a China se manterá firme e com confiança na defesa de sua soberania nacional e segurança".

"A sinceridade e a boa vontade da China para salvaguardar a paz mundial e promover o desenvolvimento comum não mudarão", acrescentou.

Xi se referiu ao ano de 2018 como "completo", e disse que, "apesar de todos os tipos de riscos e desafios", a China conseguiu levar sua economia "para um desenvolvimento de alta qualidade", conceito que as autoridades do país apontam como substituto do crescimento de alta velocidade baseado em manufatura e exportação das últimas décadas.

Sobre o desenvolvimento econômico de seu país neste ano, no qual registrou uma marcada desaceleração que pode se agravar em 2019, Xi considerou que conseguiu manter "os indicadores em uma categoria razoável".

Embora não tenha feito menção à guerra comercial que mantêm com os Estados Unidos - ambos países negociam um acordo após a trégua pactuada entre Xi e seu colega americano, Donald Trump, no último dia 1 -, Xi ressaltou a vontade de seguir adiante com seu milionário plano de infraestruturas conhecido como Nova Rota da Seda.

"Seguiremos perseverando com a Iniciativa da Rota", disse Xi, que reivindicou esforços para "construir uma comunidade de futuro partilhado para a humanidade".

O chefe de Estado chinês também falou de outro ponto importante de 2018: o 40° aniversário do começo das políticas de "reforma e abertura".

"As reformas da China nunca pararão e suas portas estarão mais abertas do que nunca", ressaltou Xi, que lembrou que neste ano foram apresentadas mais de cem medidas relevantes a este respeito.

O ano vindouro marca outro aniversário importante para o país, já que serão completados 70 anos do estabelecimento da República Popular da China.

"O nosso país enfrentou caminhos escabrosos e um clima tormentoso durante os últimos 70 anos, (....) mas o povo chinês foi autossuficiente e trabalhou diligentemente para criar milagres chineses que maravilharam o mundo", indicou.

Sobre estes "milagres", o número um do Executivo chinês lembrou que em 2018 foi lançada a sonda Chang'e-4 - que pode efetuar a primeira alunissagem na face oculta da lua nesta mesma semana - e foram iniciadas operações globais de seu sistema de navegação por satélite Beidou, entre outras conquistas.

"Apesar das complexidades e das dificuldades às quais enfrentaremos no futuro, sempre devemos acreditar nas pessoas e nos aferrarmos à auto-suficiência e ao trabalho duro", exortou.

Em relação com o futuro, Xi lembrou que a China deve "seguir concentrada" em seu objetivo de tirar da pobreza mais de dez milhões de habitantes das zonas rurais, e celebrou que outros dez já tenham chegado a essa meta até agora.

"Mais de 100 milhões de pessoas das nossas áreas rurais estão se tornando pouco a pouco em residentes permanentes das nossas cidades. 13 milhões de pessoas encontraram trabalho e demos início à construção de 5,8 milhões de imóveis para os que vivem em casas ruinosas", ressaltou.

Por fim, o presidente da China pediu aos cidadãos que "acolham 2019 com confiança e antecipação". EFE

Internacional