PUBLICIDADE
Topo

Ator de "Empire" é hospitalizado após suposta agressão homofóbica e racista

29/01/2019 17h33

Los Angeles (EUA), 29 jan (EFE).- O ator americano Jussie Smollett, que faz parte do elenco da série "Empire", foi hospitalizado nesta terça-feira em Chicago após sofrer uma suposta agressão homofóbica e racista, segundo informou o site especializado "TMZ".

O Departamento de Polícia de Chicago afirmou hoje em comunicado que Smollett foi agredido por volta de 2h da madrugada (horário local, 6h em Brasília) em um estabelecimento de fast-food por dois homens que lhe ofenderam com insultos racistas e homofóbicos.

Os agressores também lhe jogaram "uma substância química", que as autoridades não identificaram por enquanto, e lhe colocaram uma corda no pescoço antes de deixar o local.

"Dada a seriedade destas acusações, estamos encarando esta investigação muito seriamente e a tratamos como um possível crime de ódio", afirmaram as autoridades.

As fontes do "TMZ" afirmaram que os agressores perguntaram aos gritos ao ator se "era o bicha e o negro de merda de 'Empire'" e que, além disso, lhe atiraram lixívia, o que não foi confirmado pela polícia.

"Esta é terra 'MAGA'", disseram, segundo o "TMZ", os agressores, em referência ao acrônimo "Make America Great Again" ("Fazer os Estados Unidos grandes de novo"), que foi o lema de Donald Trump nas eleições presidenciais que venceu em 2016.

Smollett, que afirmou em 2015 que é homossexual, está se recuperando da agressão em boa condição de saúde.

O ator fez parte das apresentações musicais de um elenco de estrelas na primeira temporada de "Empire", entre as quais estavam Terrence Howard, Taraji P. Henson, Byshere E. Gray, Kaitlin Doubleday, Malik Yoba, Trai Byers e Grace Gealey.

Ambientada no mundo da música, do glamour e do poder, a série da "Fox", "o maior sucesso transmitido pela televisão da última década", segundo seus responsáveis, é um drama sobre o fundador de um império musical, cujos três filhos e sua ex-mulher brigam para serem os herdeiros do trono. EFE