PUBLICIDADE
Topo

Milícias palestinas lançam foguetes contra Israel em nova escalada de tensão

25/03/2019 17h16

Jerusalém/Gaza, 25 mar (EFE).- Milícias palestinas começaram a lançar, a partir da Faixa de Gaza, dezenas de foguetes na direção de Israel, uma resposta aos vários bombardeios contra alvos do movimento islamita Hamas após um míssil ter atingido imóvel no território israelense, deixando sete civis feridos.

Os ataques foram confirmados pelo Centro de Operações Conjuntas das Facções Palestinas, que reúne as seis principais milícias, entre elas as Brigadas al Qasam, o braço armado do Hamas, e as Brigadas al Quds, ligadas à Jihad Islâmica.

As sirenes dos sistemas antiaéreos israelense dispararam por volta das 19h GMT (16h em Brasília) em pelo menos sete áreas do país. O Exército confirmou a identificação de pelo menos um projétil lançado pelos palestinos em uma das regiões.

Mais cedo, Israel lançou uma série de bombardeios contra alvos do Hamas na Faixa de Gaza. O ataque foi uma resposta ao foguete que caiu pela manhã no território israelense, destruindo uma casa.

Tel Aviv e outras grandes cidades israelenses, como Rishon Lezion e Bersheva, ordenaram a abertura dos refúgios antiaéreos na tarde de hoje, temendo o aumento da violência em Gaza.

Os bombardeios do Exército de Israel atingiram alvos militares do Hamas em toda a Faixa de Gaza. Na capital da região, um dos mísseis atingiu o escritório usado pelo chefe político do movimento islamita, Ismail Haniye, que já havia sido bombardeado na operação militar "Pilar Defensivo", em 2012.

Além disso, os aviões israelenses destruíram um prédio de três andares que, segundo o governo de Benjamin Netanyahu, servia como sede secreta para as Forças Gerais de Segurança do Hamas.

Netanyahu, que estava em Washington, decidiu antecipar o retorno a Jerusalém depois dos incidentes registrados hoje.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou, na presença de Netanyahu, um decreto no qual reconhece a soberania de Israel sobre as Colinas do Golã, ocupadas pelo país desde 1967. EFE lfp-sar/lvl