PUBLICIDADE
Topo

Homem que transportava 342 quilos de ossos de leão é preso na África do Sul

03/10/2019 12h34

Johanesburgo, 3 out (EFE).- Um homem foi detido na África do Sul por transportar 342 quilos de ossos de leão que supostamente seria enviado para a Malásia, de acordo com informações divulgadas nesta quinta-feira à Agência Efe por fontes da polícia local.

A detenção ocorreu na última terça, na área de Kempton Park (nordeste do cinturão metropolitano de Johanesburgo), e o acusado, cuja identidade não foi revelada, compareceu pela primeira vez em diante dos tribunais hoje.

O detido é um homem de 34 anos, do qual se sabe que não possui nacionalidade sul-africana, segundo disse a porta-voz da polícia Ndivhuwo Mulamu, aguardando a confirmação definitiva da identidade do suspeito.

A operação foi viabilizada por informações obtidas pelos departamentos de inteligência e crime organizado da polícia que se referiam a uma carga suspeita.

Isso levou à inspeção das mercadorias transportadas pelo preso, consistindo em 12 caixas cheias de ossos de leão que supostamente tinham como destino final a Malásia.

O homem permanece detido por violação das leis nacionais de gestão da biodiversidade.

Os leões são uma espécie em risco cuja população diminuiu 98% nos últimos dois séculos.

Estima-se que em toda África existam apenas 22,5 mil espécimes selvagens.

Enquanto no resto do mundo os números caíram, a população da África do Sul é uma exceção graças à criação em cativeiro.

E essa questão preocupa os ambientalistas, pois o crescimento populacional é impulsionado pela expansão do mercado de caça e venda de carne e ossos.

É uma prática legal na África do Sul, mas tem pouco valor no nível de conservação das espécies.

Além disso, o comércio de produtos derivados de leão está sujeito a restrições internacionais.

Na Ásia, o osso de leão é usado como uma alternativa ao tigre para remédios com propriedades supostamente medicinais.

É um mercado relativamente recente e cada quilo de ossos de leão atinge um valor de cerca de US$ 700. EFE