Topo

Johnson pede união e diz que chegou "finalmente o momento" de apoiar o Brexit

Premiê precisa de, pelo menos, 320 votos para desenvolver o acordo do Brexit - Tonby Melville/Reuters
Premiê precisa de, pelo menos, 320 votos para desenvolver o acordo do Brexit Imagem: Tonby Melville/Reuters

19/10/2019 07h24

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, pediu neste sábado à Câmara dos Comuns que apoie o acordo do Brexit porque chegou "finalmente o momento" de resolver a saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

No começo da sessão extraordinária do Parlamento britânico, Johnson afirmou está na hora de "unir o país" e "construir uma nova relação" com o bloco europeu.

Na quinta-feira passada, Londres e Bruxelas chegaram a um novo acordo sobre o Brexit, após longas e intensas negociações e às vésperas da cúpula europeia, que apoiou o documento selado entre as partes.

"É agora o momento de esta grande Câmara dos Comuns ser uma, e acredito que as pessoas em casa têm esperança e esperam (que o acordo seja apoiado). A Câmara não precisa ser lembrada por este ser o segundo acordo e a quarta votação, três anos e meio depois que o país votou a favor do Brexit", declarou o líder do Partido Conservador.

Johnson disse considerar que outro adiamento do Brexit - foram pedidos dois - seria "inútil, custoso e profundamente corrosivo para a confiança da população".

"As amizades ficaram tensas, as famílias se dividiram e a atenção desta câmara esteve consumida por um só problema (desde o referendo de junho de 2016), que às vezes pareceu sem solução. Mas espero que este seja o momento em que finalmente possamos resolvê-lo", ressaltou.

O primeiro-ministro assinou o acordo com a UE após superar as diferenças sobre como evitar uma fronteira dura entre Irlanda do Norte (que faz parte do Reino Unido) e Irlanda, de modo que não prejudique o processo de paz norte-irlandês.

Johnson, que chegou ao poder em julho, em substituição da também conservadora Theresa May, trabalhou ontem e nesta manhã para tentar convencer os deputados a votarem a favor do seu acordo, mas o premiê encara uma difícil situação, já que não tem maioria parlamentar e os próprios parceiros norte-irlandeses do Partido Unionista Democrático (DUP) anteciparam que votarão contra.

O premiê necessitará pelo menos 320 votos para desenvolver o acordo do Brexit, mas conta apenas com 288, após recentemente expulsar mais de 20 deputados conservadores que se manifestaram contra uma saída da UE sem acordo.

O pacto anterior negociado pela ex-primeira ministra Theresa May foi rejeitado três vezes pela Câmara dos Comuns. O Reino Unido, que originalmente sairia da UE no dia 29 de março passado, foi obrigado a solicitar duas prorrogações, até abril e depois até o fim de outubro.

Notícias