Topo

Em busca da reeleição, Morales expressa otimismo ao votar: "Muita confiança"

Evo Morales vai disputar seu quarto mandato consecutivo - Getty Images
Evo Morales vai disputar seu quarto mandato consecutivo Imagem: Getty Images

Villa 14 de Septiembre, Bolívia

20/10/2019 10h38Atualizada em 20/10/2019 15h03

O presidente da Bolívia, Evo Morales, que é candidato à reeleição, expressou otimismo em relação aos futuros resultados ao votar neste domingo e incentivou a população a participar do pleito.

"Somos muito otimistas, (temos) muita confiança, mas fundamentalmente confiança na democracia", disse Morales em breve comentário à imprensa após votar no município de Villa 14 de Septiembre, situado na província do Chapare, no departamento de Cochabamba.

Morales convocou os eleitores a participarem da "festa democrática" para que o país "seja um modelo" de participação nas eleições.

"A minha convocação é para todo o povo boliviano participar democraticamente emitindo o nosso voto para o bem da nossa democracia", afirmou.

Evo Morales busca um quarto mandato consecutivo, até 2025, quando o país comemorará o bicentenário da independência. A disputa conta com outros oito concorrentes, entre eles o ex-presidente Carlos Mesa, apontado como o principal rival em um eventual segundo turno.

O território boliviano tem 6.974.363 eleitores habilitados para votar. No exterior são 341.001, a maioria na Argentina, na Espanha e no Brasil.

A Bolívia também vota neste domingo para renovar o Parlamento, mas os residentes no exterior só elegerão o presidente e o vice-presidente, pois o voto legislativo ainda não está regulado.

Morales chegou ao centro de votação a pé, acompanhado por seguranças e líderes de sindicatos de produtores de folha de coca da região, seu reduto sindical e político. O atual presidente ficou conhecido no Chapare como líder sindical antes de iniciar a carreira política, que o levou ao poder em 2006.

A apuração na Bolívia começará às 18h (horário local; 19h em Brasília) e os primeiros resultados devem começar a sair duas horas depois.

Notícias