PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Presidente bielorrusso chama de 'bobagem' fechamento de fronteiras

Policial polonês na fronteira entre Alemanha e Polônia após fechamento da fronteira entre os dois países como medida preventiva para lidar com coronavírus - Annegret Hilse/Reuters
Policial polonês na fronteira entre Alemanha e Polônia após fechamento da fronteira entre os dois países como medida preventiva para lidar com coronavírus Imagem: Annegret Hilse/Reuters

19/03/2020 16h32

Moscou, 19 mar (EFE).- O presidente do Belarus, Aleksandr Lukashenko, atacou nesta quinta-feira os países que fecharam suas fronteiras como uma medida para conter o novo coronavírus, e especialmente a Rússia, chamando essa medida de "bobagem absoluta".

"Muitos países fecharam-se aos estrangeiros. Entre eles, cinco países vizinhos do Belarus. É uma bobagem total e absoluta, algo que já está confirmado. Isso não vai defender a Rússia de forma alguma. Especialmente se for um fechamento seletivo. Mas esse é o negócio deles", disse o presidente, citado pela agência "Belta".

De acordo com Lukashenko, o fato de a Organização Mundial da Saúde (OMS) ter declarado a pandemia da Covid-19 não significa nada, pois em seu país todas as infecções sempre foram combatidas, e não apenas o coronavírus.

"Praticamente não existe um único país que não seja afetado por esse vírus. Mas é muito diferente uma pessoa ficar doente em um país no norte da África, enquanto 475 pessoas morrem em apenas 24 horas na Itália. É uma grande diferença", observou.

No entanto, para o mandatário, a coisa mais perigosa não é o coronavírus, mas "a psicose" que ele gerou.

Lukashenko, que nesta semana recomendou cuidar do coronavírus com vodka, ir à sauna e trabalhar duro nos campos, criticou as medidas restritivas aplicadas pela Rússia ao fechar sua fronteira com o Belarus, que ele descreveu como inútil e unilateral.

No entanto, hoje ele recomendou que seus compatriotas "ficassem em casa" e concordou que os pais que temem pelos filhos não os enviem para as escolas.

Porém, ele se opôs categoricamente antecipar as férias escolares.

Até agora, 51 pacientes foram detectados com a covid-19 no Belarus.

Coronavírus