PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Chile registra mais de 6 mil novos casos de covid-19 pelo 2º dia consecutivo

Protesto homenageia mortos por covid-19 em Santiago, no Chile - Martin Bernetti/AFP
Protesto homenageia mortos por covid-19 em Santiago, no Chile Imagem: Martin Bernetti/AFP

07/05/2021 20h23Atualizada em 07/05/2021 21h17

O Ministério da Saúde do Chile registrou, nesta sexta-feira, 6.574 novos casos de covid-19, chegando ao segundo dia consecutivo com mais de 6 mil infecções, e relatou 109 mortes nas últimas 24 horas em decorrência da doença.

Com esses números, o total de pessoas diagnosticadas com covid-19 no país desde o início da pandemia chega a 1.235.778, dos quais 37.663 pacientes se encontram na fase ativa do vírus.

Em relação aos óbitos, o país chegou a 27.004, informaram as autoridades sanitárias.

A taxa nacional de positividade - número de infecções por 100 testes PCR - nas últimas 24 horas foi de 9,1%, após mais de 65 mil testes realizados.

Uma taxa de positividade inferior a 5% por duas semanas consecutivas é um dos critérios epidemiológicos estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para considerar a pandemia sob controle.

Em relação à vacinação, 15.521.703 doses de vacinas contra a covid-19 já foram administradas a 8.454.068 pessoas que já receberam a primeira dose e 7.067.635 que completaram o processo de vacinação com as duas doses.

"A população-alvo é de 15.200.840 pessoas, onde 55,6% da população foi vacinada com a primeira dose e 46,5% foi vacinada com a segunda dose", disse o ministro da Saúde, Enrique Paris, segundo nota oficial.

A maioria das vacinas administradas são CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac, do qual o Chile recebeu quase 14 milhões de doses; Pfizer/BioNTech, de onde vieram 2,3 milhões, e AstraZeneca, que será aplicada em mulheres com mais de 55 anos e homens com mais de 18 anos.

O governo apressou o calendário de vacinação para as eleições que serão realizadas nos próximos dias 15 e 16 e espera imunizar os maiores de 35 anos com pelo menos uma dose até essa data.

Coronavírus