PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
3 meses

Colômbia supera marca de 10 milhões de vacinas contra Covid-19 aplicadas

02/06/2021 04h11

Bogotá, 1 jun (EFE).- A Colômbia ultrapassou nesta terça-feira a marca de 10 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 aplicadas, com 10.092.122, depois de mais 266.350 terem sido administradas ontem.

A intensificação do processo de imunização acontece em um momento em que o país vizinho luta contra uma terceira onda de infecções e acumula 3.406.456 casos de coronavírus, com 88.774 mortes, segundo o Ministério da Saúde.

"A meta de 10 milhões de vacinas aplicadas em maio foi atingida. Ontem foram aplicados 266.350 em todo o país", divulgou o responsável pela pasta, Fernando Ruiz, em uma mensagem postada em sua conta no Twitter.

Segundo o Ministério, do total de vacinas aplicadas, 3.293.247 correspondem a segundas doses. A região que mais imunizou é Bogotá, com 1.992.109 aplicações, seguida pelos departamentos de Antioquia (1.530.353), Valle del Cauca (952.696), Atlántico (578.291), Cundinamarca (570.790) e Santander (523.114).

"Continuamos avançando na velocidade da vacinação. Vamos vencer o vírus", disse o diretor de Epidemiologia e Demografia do Ministério da Saúde, Julian Fernandez Niño, também pelo Twitter.

O plano do governo visa vacinar 35,2 milhões de pessoas neste ano, o equivalente a 70% da população nacional, para a qual o país já recebeu 14,2 milhões de doses da Pfizer, da Sinovac e da AstraZeneca.

PRESSÃO SOBRE SERVIÇO DE URGÊNCIA.

A Associação Colombiana de Especialistas em Emergência alertou ontem o Ministério da Saúde sobre a falta de oxigênio, medicamentos e suprimentos para o atendimento de pacientes críticos.

De acordo com a entidade, a pressão sobre o sistema de saúde da Colômbia é maior nos serviços de emergência do que nas unidades de terapia intensiva, cuja ocupação geral está acima de 95%.

"Os serviços de emergência estão em sua maioria acima de 160%. Mais de 540 mortos, e mais de 20 mil novos casos (ontem). Temos pacientes que morreram nos serviços de urgência. A pressão não está na UTI, está nas Urgências", advertiu a Associação.