Milhares marcham em Bucareste um ano após desastre que matou 64 em casa noturna

BUCARESTE (Reuters) - Milhares de romenos marcharam em silêncio pela capital Bucareste neste domingo para marcar um ano do incêndio de uma casa noturna que matou 64 pessoas, uma tragédia que levou a uma série de protestos contra autoridades corruptas e eventualmente derrubou o governo. 

Mais de 4 mil pessoas levando flores e velas se dirigiram até o local onde ficava o Colectiv Club, em protesto contra a corrupção que ainda castiga a Romênia, e contra a precariedade do país para prevenir ou lidar com uma outra tragédia. 

As ruas ao longo da trajetória da marcha estavam repletas de cartazes e banners eleitorais das próximas eleições parlamentares, no dia 11 de dezembro, todos prometendo reformar e mudar a Romênia para melhorar. Pesquisas preveem que nenhum partido conquistará a maioria absoluta.

O governo tecnocrata que lidera o país desde que o governo de esquerda renunciou em novembro do ano passado deu início a melhoras na área de transparência. Instituições estatais devem emitir dados referentes a gastos mensais. Dados de saúde pública e referentes a projetos financiados pela União Europeia são públicos. 

Mas questões permanecem sobre se um próximo governo eleito continuaria a combater a corrupção. 

O incêndio começou quando fogos de artifício usados durante um show da banda de rock Goodbye to Gravity atingiram espumas de isolamento acústico inflamáveis, fazendo com que a multidão se amontoasse junto à única saída do local, aprisionando quase 350 pessoas na parte de dentro. 

Ao todo, 64 pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas no pior desastre do tipo na União Europeia em décadas. 

Investigações de promotores mostram que os proprietários da casa permitiram que ela estourasse a capacidade máxima de pessoas, que a Collectiv não estava equipada para receber fogos de artifício e não tinha saídas de emergência. Uma empresa havia instalado fogos de artifício apropriados para uso externo. 

Autoridades de Bucareste concederam à casa uma licença de operação e inspetores de segurança permitiram que ela funcionasse apesar de saberem que ela não tinha uma licença de segurança contra incêndios. Os promotores enviaram todos os envolvidos a julgamento. 

"A Romênia hoje não é o que era há um ano", disse o presidente Klaus Iohannis, enquanto deixava flores no local no domingo. "As pessoas têm mais expectativas". 

"Temos um dever de não permitir que essa tragédia seja esquecida, temos que lembrá-la e nunca esquecer dos inocentes que morreram aqui na Collectiv."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos