ESTREIA-Matt Damon luta contra monstros na China em "A Grande Muralha"

SÃO PAULO (Reuters) - Apesar do título, nada é especialmente grandioso em “A Grande Muralha”, nova aventura épica do cineasta chinês Zhang Yimou, outrora mais conhecido por seus dramas intimistas e de apuro visual, além de alguns de artes marciais, como “Herói” e “O Clã das Adagas Voadoras”. Ele também assinou a cerimônia de abertura das Olimpíadas de 2008 de Pequim.

O novo filme –que traz o norte-americano Matt Damon no papel central– está bem longe de tudo o que Zhang já fez. Contando com alto orçamento – 150 milhões de dólares- e muitos efeitos especiais, a ambição do filme é ser uma fantasia de época tendo como cenário principal a Grande Muralha da China.

Segundo uma lenda (totalmente fabricada para o filme), a Grande Muralha foi construída para evitar que criaturas monstruosas, que aparecem a cada 60 anos, invadam o país e dizimem a população.

A frágil premissa é o pretexto para fazer a produção mais cara da China, que, aliás, fracassou na bilheteria local, quando estreou lá em dezembro, perdendo para “The Mermaids”, de Stephen Chow, um filme de baixo orçamento sobre sereias mas, até agora, o mais lucrativo daquele país, com faturamento de 489 milhões de dólares.

No enredo, um grupo de mercenários europeus ruma para a China da dinastia Song (960-1279), onde vai buscar algo conhecido como “pó negro”, ou seja, a ainda desconhecida pólvora, que seria muito lucrativa na Europa, que está em constante guerra.

Logo a comitiva é exterminada, sobrando apenas William (Damon) e seu alívio cômico, Tovar (o ator chileno Pedro Pascal), que chegam à muralha, encontrando-a cercada de monstrengos de dentes afiados. Prisioneiros em princípio, acabarão se unindo ao grande exército de chineses, inclusive com pelotões femininos, na infindável luta contra as criaturas.

Os grandes batalhões, identificados por suas especialidades e cores, são liderados pelo estrategista Wang (Andy Lau) e a comandante Lin Mae (Tian Jing), que fala inglês fluentemente, aprendido com a ajuda de Ballard (Willem Dafoe), outro mercenário ocidental que chegou na região e acabou impedido de partir. As caras e bocas do ator logo entregam que ele será um vilão do filme– ao lado dos Tao Tei, o nome das hordas de criaturas assassinas.

A edição picotada -assinada por Mary Jo Markey e Craig Wood– mais atrapalha do que ajuda aos interessados em observar o aspecto visual, um suposto ponto forte na produção. Mal se dá tempo de construir a narrativa, pois “A Grande Muralha” já começa com bombardeio, tiros e monstros carnívoros, para seguir um curto período no qual personagens são apressadamente apresentados, até começar uma nova batalha.

Muito se discutiu, durante a produção do filme, sobre a participação de Damon como protagonista e herói do filme– em vez de um ator ou atriz da China. Ao se ver “A Grande Muralha” percebe-se que nem era o caso de reclamar, afinal, o personagem dele, além de mercenário, fica sempre em posição inferior em relação a Lin Mae e Wang, que sempre são mais inteligentes, fortes, heroicos e humildes.

Já se comparou os filmes mais visualmente exuberantes de Zhang a desfiles de escolas de samba. É curioso que este chegue aos cinemas brasileiros exatamente no final de semana do Carnaval. Tanto faz se foi por acaso ou não, mas só se vai descobrir se a estratégia funcionou na Quarta-feira de Cinzas, quando as notas dos jurados, ou melhor, as bilheterias forem divulgadas.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos