França pede mais sanções da UE sobre Venezuela por passo ao "autoritarismo"

John Irish

  • Ludovic Marin/Reuters

    O presidente argentino, Mauricio Macri, e o francês, Emmanuel Macron, durante encontro em Paris

    O presidente argentino, Mauricio Macri, e o francês, Emmanuel Macron, durante encontro em Paris

O presidente francês, Emmanuel  Macron, pediu nesta sexta-feira (26) por mais sanções da União Europeia sobre a Venezuela, dias após o bloco de 28 países concordar sobre uma proibição de viagens e congelamento de ativos de sete autoridades seniores venezuelanas.

O ocidente acusa o governo do presidente Nicolás Maduro de violar democracia e direitos humanos no país produtor de petróleo, que está assolado por uma grande crise econômica e social, com milhões sofrendo com a escassez de alimentos e medicamentos.

A Suprema Corte pró-governo da Venezuela excluiu na quinta-feira (25) a coalizão da oposição de registro para as eleições presidenciais deste ano, possivelmente derrubando os inimigos de Maduro ao pressionar os partidos políticos a apresentarem candidatos concorrentes de maneira independente.

"Tristemente, as coisas estão indo na direção errada", disse Macron em uma entrevista coletiva conjunta com o presidente da Argentina, Mauricio Macri.

"Nós teremos que ver no nível europeu se queremos novas sanções. Eu sou a favor de tê-las... Eu quero que vamos mais longe dadas as recentes decisões e a mudança ao autoritarismo."

Na segunda-feira (22), a UE anunciou medidas cujos alvos eram pessoas responsáveis pelas forças de segurança acusadas de abusos generalizados, particularmente durante os protestos antigoverno em 2017.

Mais cedo nesta sexta-feira, a Espanha, apoiadora proeminente das novas sanções da UE, declarou o embaixador venezuelano em Madri "persona non grata", após uma medida equivalente do governo de Caracas na quinta-feira.

Críticos de Maduro, que sucedeu Hugo Chávez em 2013, dizem que ele arruinou uma economia certa vez próspera, tornou a Venezuela uma ditadura e distorceu o sistema eleitoral para perpetuar o seu Partido Socialista no poder.

O governo de Maduro diz que está combatendo uma conspiração da direita liderada pelos Estados Unidos determinada a acabar com o socialismo na América Latina, travar a economia da Venezuela, e roubar sua riqueza do petróleo.

Macron pediu a outros países que tem laços econômicos mais amplos com a Venezuela que também imponham "sanções eficientes".

O presidente argentino Macri disse que Maduro continuava a "violar o sistema", apesar das pressões diplomáticas e pediu eleições livres e transparentes.

"Não é uma democracia há muito tempo", declarou Macri.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos