PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Velocista bielorrussa diz que foi levada ao aeroporto contra sua vontade, mas não pretende voltar para casa

01/08/2021 12h22

Por Gabrielle Tétrault-Farber

TÓQUIO (Reuters) - Uma velocista bielorrussa disse que foi levada ao aeroporto contra sua vontade no domingo para embarcar em um vôo de volta para casa depois de reclamar de treinadores nacionais nas Olimpíadas de Tóquio, mas planejava evitar entrar no avião.

Krystsina Tsimanouskaya, que deveria competir nos 200 metros femininos na segunda-feira, disse à Reuters que procurou a proteção da polícia japonesa no aeroporto de Haneda, em Tóquio, para não ter que embarcar no voo.

"Não vou voltar para a Bielorrússia", disse ela à Reuters em mensagem pelo Telegram.

O Comitê Olímpico da Bielorrússia disse em um comunicado que os treinadores decidiram retirar Tsimanouskaya dos Jogos por conselho dos médicos sobre seu "estado emocional e psicológico".

O Comitê Olímpico da Bielorrússia não respondeu imediatamente a um pedido de comentários adicionais.

Um fotógrafo da Reuters viu a atleta parada ao lado da polícia japonesa.

"Acho que estou seguro", disse Tsimanouskaya. "Estou com a polícia."

Um policial do aeroporto de Haneda disse que eles estavam com uma atleta olímpica da Bielo-Rússia no Terminal 3.

Uma fonte da Belarusian Sport Solidarity Foundation, que apoia atletas presos ou marginalizados por suas opiniões políticas, disse que Tsimanouskaya planejava pedir asilo na Alemanha ou na Áustria na segunda-feira.

Em um vídeo publicado no Telegram pela Belarusian Sport Solidarity Foundation, Tsimanouskaya pediu ao Comitê Olímpico Internacional que se envolvesse em seu caso.

Um porta-voz do COI disse que o órgão governante havia visto relatos da mídia e estava investigando o assunto. O porta-voz disse que pediu esclarecimentos ao comitê olímpico da Bielorrússia.

'NEGLIGÊNCIA' DOS TREINADORES

Tsimanouskaya, 24, disse que a equipe técnica foi a seu quarto no domingo e disse a ela para fazer as malas. Ela foi levada ao aeroporto antes que pudesse correr nos 200 metros e no revezamento 4x400 na quinta-feira.

Disse que foi afastada da equipe "pelo fato de ter falado no meu Instagram sobre a negligência dos nossos treinadores".

Tsimanouskaya reclamou no Instagram que foi inscrita no revezamento 4x400 m depois que alguns membros da equipe foram considerados inelegíveis para competir nas Olimpíadas porque não haviam se submetido a uma quantidade suficiente de testes de doping.

"Algumas de nossas garotas não voaram aqui para competir no revezamento 4x400 m porque não tinham testes antidoping suficientes", disse Tsimanouskaya à Reuters do aeroporto.

"E o treinador me adicionou ao revezamento sem meu conhecimento. Falei sobre isso publicamente. O treinador principal veio até mim e disse que havia uma ordem de cima para me remover."

Tsimanouskaya acrescentou que havia procurado membros da diáspora bielorrussa no Japão para resgatá-la no aeroporto.

A líder oposicionista bielorrussa exilada, Sviatlana Tsikhanouskaya, pediu ao COI que aceite o caso do atleta.

"Grato a #IOC pela rápida reação à situação com a atleta bielorrussa Krystsina Tsymanouskaya. Ela tem direito à proteção internacional e a continuar participando dos @Olympics", tuitou Tsikhanouskaya.

"Também é crucial investigar as violações dos direitos dos atletas dos CONs da Bielorrússia."

(Reportagem de Gabrielle Tétrault-Farber; Reportagem adicional de Kiyoshi Takenaka; Edição de Frances Kerry)