PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Ataque em Camarões deixa ao menos 26 mortos

28.jun.2013 - Homem segura a bandeira de Camarões - Dylan Martinez - 28.jun.2013/Reuters
28.jun.2013 - Homem segura a bandeira de Camarões Imagem: Dylan Martinez - 28.jun.2013/Reuters

Amindeh Blaise Atabong

27/06/2022 09h24

Pelo menos 26 aldeões foram mortos em um ataque no sábado no distrito de Akwaya, região sudoeste de Camarões, onde insurgências separatistas têm alimentado conflitos interétnicos por terra, disseram fontes locais nesta segunda-feira.

Insurgentes anglófonos começaram a combater os militares camaroneses nas regiões sudoeste e noroeste em 2017, depois que protestos civis pedindo maior representação para a minoria de língua inglesa do país foram violentamente reprimidos.

A autoridade médica do distrito de Akwaya, Enow Daniel Kewong, disse à Reuters que 26 corpos foram encontrados até agora e que pessoas ainda estão desaparecidas após o ataque de sábado à aldeia de Ballin, perto da fronteira com a Nigéria.

Ele acrescentou que o Centro Integrado de Saúde da aldeia foi incendiado.

Segundo membro do Parlamento do distrito Aka Martin Tyoga, lhe disseram que 32 pessoas foram enterradas em uma vala comum, incluindo seis nigerianos.

Autoridades militares locais não puderam ser contatadas imediatamente para comentar.

Duas fontes locais disseram que o ataque estava ligado a uma disputa acirrada por terras entre o grupo étnico Ugare, de Ballin, e o Olitis, da aldeia vizinha de Mavass, agravado por combatentes separatistas unindo forças com os Olitis.

Os agressores invadiram uma casa onde estava ocorrendo um velório e atiraram indiscriminadamente, disse uma fonte.

Essa mistura das linhas entre os diferentes tipos de conflito tornou-se cada vez mais comum nas regiões de língua inglesa de Camarões, onde a lei e a ordem são amplamente quebradas, de acordo com grupos da sociedade civil.

Internacional