PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Ao menos 22 mortos em bar noturno na África do Sul

Um responsável pelo departamento de Segurança e Comunidade da província de Eastern Cape descartou a possibilidade de uma briga como causa das mortes - Polícia Militar do Mato Grosso
Um responsável pelo departamento de Segurança e Comunidade da província de Eastern Cape descartou a possibilidade de uma briga como causa das mortes Imagem: Polícia Militar do Mato Grosso

26/06/2022 08h44Atualizada em 27/06/2022 11h27

Pelo menos 22 jovens foram encontrados mortos neste domingo (26) num bar da cidade sul-africana de East London, bairro de periferia majoritariamente negro. O número de mortos foi atualizado pelo jornal local DispatchLive.

Um primeiro balanço que havia sido fornecido pelo chefe de polícia provincial Thembinkosi Kinana registrou 17 mortos no incidente ocorrido em um bar noturno no Scenery Park.

Em seguida, o chefe do departamento de segurança da província, Weziwe Tikana-Gxothiwe, atualizou para 20 vítimas fatais e duas internadas em estado crítico.

"Ainda estamos investigando as circunstâncias deste incidente", acrescentou Kinana. O delegado disse que as vítimas tinham entre 18 e 20 anos.

Um responsável pelo departamento de Segurança e Comunidade da província de Eastern Cape, Unathi Binqose, descartou a possibilidade de uma briga como causa das mortes.

"É difícil acreditar que seja uma briga porque não há sinais visíveis de ferimentos nos mortos", disse Binqose, contatado por telefone no local, à AFP. O jornal regional local DispatchLive relatou "corpos espalhados em mesas, cadeiras e no chão, sem sinais óbvios de ferimentos".

Fotos compartilhadas nas redes sociais, cuja autenticidade não pôde ser verificada, mostravam corpos sem sinais visíveis de ferimentos espalhados pelo chão do local. A televisão local transmitiu imagens da polícia tentando acalmar uma multidão reunida do lado de fora do bar nesta cidade às margens do Oceano Índico, cerca de 1.000 quilômetros ao sul de Joanesburgo.

"Os pais cujos filhos não dormiram em casa estão aqui e querem entrar no clube para procurar seus entes queridos", disse Binqose. O responsável afirmou que na sua opinião os clientes eram estudantes "que estavam realizando uma festa depois das provas escritas".

Internacional