Biden invoca medida da época da Guerra Fria para fazer frente a Trump

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, invocou na segunda-feira uma medida da época da Guerra Fria para aumentar os investimentos do país na fabricação de medicamentos e suprimentos médicos, o que ele considera importante para a defesa nacional.

Além disso, a medida tem por objetivo conter a inflação e fortalecer o atual presidente em uma disputa eleitoral contra Donald Trump

Biden usou o primeiro encontro de seu conselho de resiliência da cadeia de suprimentos para elogiar os esforços de sua administração para melhorar os processos que foram afetados pela pandemia de Covid-19 e controlar a inflação. No entanto, ele reconheceu que mais trabalho é necessário nessa área.

"Sabemos que os preços ainda estão muito altos para muitas coisas, que os tempos ainda são difíceis para muitas famílias", afirmou Biden. "Mas progredimos".

Ele invocou o Ato de Defesa da Produção, da época da Guerra Fria, para aumentar os investimentos na fabricação de remédios e suprimentos médicos no país.

O anúncio é parte de uma série de 30 medidas que o governo divulgou para ajudar as cadeias de produção e conter os índices historicamente altos de inflação.

Biden autorizou o Departamento de Saúde e Serviços Humanos a usar poderes, autorizados pelo ato, para alavancar investimentos em "medicamentos essenciais", disse a Casa Branca.

As áreas de investimento também incluem "contramedidas médicas", como produtos para diagnóstico, prevenção ou tratamento de doenças relacionadas a ataques químicos, biológicos, radiológicos e nucleares.

Eleições 2024

Biden, do Partido Democrata, vai concorrer à reeleição em 2024 e quer mostrar aos norte-americanos que está combatendo a inflação e atacando as preocupações gerais sobre a economia da nação.

Continua após a publicidade

Embora os preços aos consumidores tenham arrefecido em relação aos picos do ano passado, as pesquisas mostram que a inflação continua sendo um desafio político para Biden antes das eleições.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora