Líder holandês de extrema-direita diz que governo de minoria é opção

Por Toby Sterling

AMSTERDÃ (Reuters) - O político holandês de extrema-direita Geert Wilders disse nesta quarta-feira que formar um governo minoritário com ele como primeiro-ministro é uma possibilidade, após a eleição da semana passada na qual seu Partido da Liberdade (PVV) conquistou o maior número de assentos no Parlamento, mas sem alcançar a maioria.

Os dois maiores partidos de direita com os quais Wilders esperava trabalhar disseram nesta quarta que não estão dispostos a entrar em negociações de coalizão com ele, deixando-o, por enquanto, sem caminho para formar um governo que comandaria uma maioria no Parlamento.

Falando a jornalistas após a sua primeira reunião com o indicado para lidar com a fase inicial das negociações, Wilders disse que seria moderado nas discussões com potenciais parceiros, e não descartou cenários de um governo minoritário.

O partido conservador VVD, do primeiro-ministro em fim de mandato Mark Rutte, repetiu na quarta-feira que não se juntaria a um gabinete com Wilders, citando a necessidade de manter a disciplina fiscal e a posição do país em organizações internacionais como a Otan e a União Europeia. O VVD está disposto a oferecer apoio a Wilders em questões como a imigração.

Pieter Omtzigt, líder do partido de centro-direita Novo Contrato Social (NSC), também disse que “não está pronto” para iniciar negociações com o incendiário anti-islâmico Wilders, citando partes da plataforma do partido PVV que contradizem as proteções constitucionais holandesas sobre liberdade de religião.

O partido PVV, de Wilders, obteve cerca de 24% dos votos e precisa de parceiros para formar alguma coligação.

O maior partido de esquerda, o Trabalhista/Esquerda Verde, descartou completamente a possibilidade de trabalhar com Wilders. “É impossível, é impossível”, disse o líder Frans Timmermans na quarta-feira, dizendo que o seu partido não poderia cooperar com um partido que “não respeita a constituição e exclui grandes grupos de pessoas”.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora