Rússia se prepara para confronto com Ocidente na próxima década, diz Estônia

A Rússia está se preparando para um confronto militar com o Ocidente na próxima década, disse o Serviço de Inteligência Estrangeira da Estônia na terça-feira.

Um número crescente de autoridades ocidentais alertou sobre uma ameaça militar da Rússia aos países ao longo do flanco oriental da Otan, pedindo que a Europa se prepare, rearmando-se.

O chefe do serviço de inteligência disse que a avaliação foi baseada nos planos russos de dobrar o número de forças estacionadas ao longo de sua fronteira com os membros da Otan, a Finlândia e os Estados Bálticos da Estônia, Lituânia e Letônia.

"A Rússia escolheu um caminho que é um confronto de longo prazo (...) e o Kremlin provavelmente está prevendo um possível conflito com a Otan na próxima década", disse Kaupo Rosin aos repórteres durante a divulgação do relatório de ameaças à segurança nacional da Estônia.

Um ataque militar da Rússia é "altamente improvável" no curto prazo, disse ele, em parte porque a Rússia tem que manter tropas na Ucrânia, e continuaria improvável se o aumento das forças russas fosse igualado na Europa.

"Se não estivermos preparados, a probabilidade (de um ataque militar russo) será muito maior do que se não houver preparação", acrescentou Rosin.

A Estônia e os outros Estados Bálticos aumentaram seus gastos militares para mais de 2% do valor de suas economias depois que a Rússia anexou a Crimeia em 2014, e os aliados da Otan aumentaram sua presença nesses países.

A Alemanha planeja ter 4.800 tropas prontas para o combate na região até 2027, em seu primeiro destacamento estrangeiro permanente desde a Segunda Guerra Mundial, e Rosin disse que a Otan e seus aliados estão se movendo na direção certa para combater a ameaça russa.

Sobre os comentários do candidato à presidência dos EUA Donald Trump, de que não defenderia os aliados que não gastam o suficiente em defesa, Rosin disse: "Essas declarações nunca são úteis".

Continua após a publicidade

A capacidade da Rússia de fornecer munição para suas tropas continua a superar a da Ucrânia e, a menos que o apoio ocidental seja mantido ou aumentado, é improvável que a Ucrânia consiga mudar a situação no campo de batalha, acrescentou.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora