Senado dos EUA aprova projeto de ajuda à Ucrânia no valor de US$95 bi

Por David Morgan

WASHINGTON (Reuters) - O Senado dos Estados Unidos, liderado pelos democratas, aprovou na terça-feira um pacote de ajuda de 95,34 bilhões de dólares para a Ucrânia, Israel e Taiwan, embora enfrente um caminho incerto na Câmara dos Deputados, controlada pelos republicanos.

Os legisladores aprovaram a medida em uma votação de 70 a 29 que excedeu o total de 60 votos da Casa para aprovação e enviou a legislação para a Câmara.

Vinte e dois republicanos se juntaram à maioria dos democratas para apoiar o projeto de lei no Senado.

"Certamente faz anos, talvez décadas, que o Senado não aprova um projeto de lei que tenha um impacto tão grande não apenas em nossa segurança nacional, não apenas na segurança de nossos aliados, mas na segurança da democracia ocidental", disse o líder da maioria no Senado, Chuck Schumer.

A liderança da Ucrânia considera o financiamento crucial, uma vez que continua a repelir os ataques russos e tenta manter sua economia à medida que a guerra se aproxima de seu terceiro ano. O presidente dos EUA, Joe Biden, tem pressionado pelo pacote há meses, mas tem enfrentado a oposição da linha dura republicana, especialmente na Câmara.

A votação no Senado ocorreu antes do amanhecer, depois que oito oponentes republicanos da linha dura da ajuda à Ucrânia realizaram uma maratona de discursos durante a noite que dominou o plenário da Câmara por mais de seis horas.

O pacote também inclui fundos para Israel, ajuda humanitária para os palestinos em Gaza e defesa de Taiwan.

As autoridades ucranianas alertaram sobre a escassez de armas em um momento em que a Rússia está avançando com novos ataques.

Continua após a publicidade

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, rapidamente saudou a aprovação do projeto de lei. "A assistência americana aproxima a paz justa na Ucrânia e restaura a estabilidade global, resultando em maior segurança e prosperidade para todos os americanos e para todo o mundo livre", disse Zelenskiy na plataforma social X.

Ambas as casas do Congresso devem aprovar a legislação antes que Biden possa assiná-la como lei.

Não está claro se o presidente da Câmara republicano, Mike Johnson, levará o projeto de lei à votação, já que o criticou por não ter disposições conservadoras para conter o fluxo recorde de migrantes pela fronteira entre os EUA e o México.

Os republicanos do Senado bloquearam, na semana passada, um projeto de lei que teria associado a ajuda à Ucrânia e a outros aliados com as mudanças mais abrangentes na política de fronteiras em décadas, depois que Donald Trump, o principal candidato à indicação presidencial republicana, criticou veementemente o acordo.

A legislação inclui 61 bilhões de dólares para a Ucrânia, 14 bilhões de dólares para Israel em sua guerra contra o Hamas e 4,83 bilhões de dólares para apoiar parceiros no Indo-Pacífico, incluindo Taiwan, e impedir a agressão da China.

Também forneceria 9,15 bilhões de dólares em assistência humanitária aos civis em Gaza e na Cisjordânia, na Ucrânia e em outras zonas de conflito em todo o mundo.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes