Conteúdo publicado há 25 dias

No dividido Irã, morte do presidente é recebida com luto silencioso e comemoração discreta

Por Parisa Hafezi

DUBAI (Reuters) - O Irã proclamou cinco dias de luto pelo presidente Ebrahim Raisi na segunda-feira, embora a atmosfera silenciosa tenha revelado pouco da reação pública que acompanhou as mortes de outras figuras importantes nos 45 anos de história da República Islâmica.

Enquanto os partidários do governo se reuniram em mesquitas e praças para rezar por Raisi e pelo ministro das Relações Exteriores, Hossein Amir Abdollahian, ambos mortos em um acidente de helicóptero, a maioria das lojas permanecia aberta e as autoridades fizeram pouco esforço para interromper a vida cotidiana.

Um ano após o governo linha-dura de Raisi ter agido violentamente para acabar com as maiores manifestações contra o establishment desde a revolução de 1979, os opositores chegaram a postar vídeos furtivos online de pessoas distribuindo doces para comemorar sua morte.

Laila, uma estudante de 21 anos em Teerã, disse à Reuters por telefone que não estava triste com a morte de Raisi, "porque ele ordenou a repressão às mulheres por causa do hijab".

"Mas estou triste porque, mesmo com a morte de Raisi, esse regime não mudará", declarou ela.

Grupos de direitos humanos afirmam que centenas de iranianos morreram nas manifestações de 2022-2023, desencadeadas pela morte sob custódia de uma jovem curda iraniana presa pela polícia da moralidade por violar os rígidos códigos de vestimenta do país.

A forma como as autoridades lidam com uma série de crises políticas, sociais e econômicas têm aprofundado a distância entre os governantes clericais e a sociedade.

Os apoiadores do establishment clerical falaram com admiração de Raisi, um ex-jurista linha-dura de 63 anos eleito em uma votação rigidamente controlada em 2021.

Continua após a publicidade

"Ele foi um presidente que trabalhou duro. Seu legado perdurará enquanto estivermos vivos", disse Mohammad Hossein Zarrabi, 28 anos, membro da milícia voluntária Basij na cidade sagrada xiita de Qom.

Mas houve pouca retórica emotiva que acompanhou as mortes de figuras reverenciadas publicamente, como Qasem Soleimani, um comandante sênior da Guarda Revolucionária de elite do Irã, morto por um míssil norte-americano em 2020 no Iraque, cujo funeral atraiu grandes multidões de pessoas, chorando de tristeza e raiva.

Para os oponentes dos governantes clericais do Irã no país e no exílio, Raisi tem sido uma pessoa odiada desde a década de 1980, quando foi acusado de desempenhar um papel de liderança como jurista na execução de dissidentes. O Irã nunca reconheceu a ocorrência de execuções em massa; a Anistia Internacional afirma que 5.000 iranianos, possivelmente mais, foram executados na primeira década após a revolução.

"Parabenizo as famílias das vítimas das execuções", publicou usuário da Internet Soran Mansournia em um fórum online que debate o legado da morte de Raisi.

No entanto, Narges, outro usuário, lamentou que Raisi tenha morrido "como um mártir".

Muitos iranianos disseram esperar que a morte de Raisi tenha pouco impacto sobre a forma como o país será governado, sendo provável que o establishment o substituísse por outra figura com opiniões linha-dura semelhantes.

Continua após a publicidade

"Quem se importa? Um linha-dura morre, outro assume o poder e nosso sofrimento continua", disse Reza, 47 anos, comerciante da cidade desértica de Yazd, no centro do país, que não disse seu nome completo por temer represálias.

"Estamos muito ocupados com questões econômicas e sociais para nos preocuparmos com essas notícias."

Deixe seu comentário

Só para assinantes