Venda de virgindade online: prostituição ou estupro velado?

O fenômeno da venda da virgindade por jovens mulheres na internet não é novo, mas se torna cada vez mais comum e midiatizado.

Nos últimos anos, jovens que vendem sua primeira experiência sexual na internet por quantias milionárias se multiplicam. No Brasil, Catarina Migliorini, que leiloou sua virgindade online em 2012, chamou a atenção de todo o país e foi assunto de um documentário. Na Inglaterra, no início deste ano, uma jovem recebeu um milhão de libras vendendo sua virgindade a um misterioso ator de Hollywood. Aqui na França, no início deste mês, uma jovem parisiense também atraiu a atenção da opinião pública ao anunciar ter arrematado US$ 1,2 milhão em troca de sua primeira experiência sexual.

Em um vídeo publicado nas redes sociais, a parisiense Jasmine, de 20 anos, explica o que a motivou a vender sua virgindade. "Quero estudar, conhecer o mundo, aprender com isso, ser uma empresária e também ajudar meus pais", disse a jovem, alegando que tem muitas contas para pagar.

Segundo o site alemão Cinderella Escorts - plataforma onde a transação foi realizada -, um banqueiro de Wall Street foi quem deu o lance de US$ 1,2 milhão pela virgindade de Jasmine. Entrevistada pelo jornal britânico The Sun, a jovem classifica a experiência, que aconteceu nos Estados Unidos, de "positiva", ressaltando que o homem foi "gentil e cuidadoso" durante o ato sexual e que eles planejam se encontrar novamente. "A maioria das pessoas trocaria um milhão de dólares por sua primeira vez se pudessem voltar no tempo", disse.

A questão parece ser muito mais complexa e é alvo de duras críticas na França. As matérias publicadas pela mídia francesa questionam a prática, lembrando que se fosse na França, ela não aconteceria, já que a prostituição é ilegal no país. "Quando o hímen será cotado na bolsa?", ironiza o jornal Libération em uma matéria publicada na semana passada, estimando que o fenômeno coloca em questão a evolução da relação com o corpo e deste rito de passagem.

Um fenômeno que data da Idade Média

"Esse fenômeno me dá a impressão que ainda estamos na Idade Média", diz o sexólogo Philippe Arlin. O especialista lembra que nesta época, na França, os homens ricos tinham o direito de deflorar suas serviçais, ainda que estivessem conscientes que, tirando a virgindade delas, essas mulheres estariam para sempre afastadas da sociedade.

Séculos após o período "das trevas", muitos mitos ainda permanecem no imaginário masculino. "É a ideia de possuir, de ser o primeiro, e de se apropriar da juventude de alguém – noções que foram criadas por homens e que continuam ainda hoje a perseguir as mulheres na forma de assédios e agressões sexuais", salienta Arlin.

O sexólogo compara o interesse dos homens em comprar a virgindade de mulheres na internet à pedofilia. "Aceitar pagar pela prática é reconhecer o interesse em mulheres que não são sexualmente maduras", avalia.

Na internet, tudo se compra

Vender a virgindade em plataformas como a Cinderella Escorts leva milhares de dólares ou euros para as contas das candidatas. Mas a exposição que recebem das mídias também é uma espécie de recompensa, em uma época em que reality shows produzem "celebridades" a granel e que a popularidade nas redes sociais é sinônimo de sucesso.

Por isso, a estratégia de recorrer ao método é considerado como um caminho mais curto e simples para alcançar a fama ou ganhar dinheiro, na opinião do sexólogo. "Na internet, tudo pode ser comprado e tudo pode ser vendido", reitera Arlin.

Embora o método seja relativamente recente, a polêmica questão existe "desde que o mundo é mundo", avalia a militante feminista Lorraine Questiaux, do Coletivo Francês para os Direitos das Mulheres. "O sistema patriarcal continua impondo que a mulher é uma mercadoria", reitera.

Ela compara a venda da virgindade na internet ao casamento forçado, que em muitas sociedades é realizado em troca de bens ou dinheiro. Afinal, para a militante feminista, o consentimento das mulheres que vendem a virgindade é questionável. "É evidente que, em uma cultura que educa as mulheres a se tornarem objetos sexuais, vamos exigir delas que colaborem com sua própria dominação", analisa.

Por isso, para Questiaux, muito além da prostituição, a venda da virgindade na internet não passa de um estupro velado e normalizado sob a ideia de que a prática tem o acordo da candidata em questão. "O que deveríamos nos perguntar é de que forma essas jovens foram condicionadas para que, aos 20 anos, elas queiram vender na internet sua primeira vez a um desconhecido", diz.

Em entrevista ao jornal Libération, um responsável do site Cinderella Escorts afirma que não promove a prostituição, mas apenas proporciona uma forma segura para as mulheres ganharem dinheiro. "Elas são selecionadas sob critérios de beleza, mas também tentamos saber se elas estão seguras de sua escolha", garante, lembrando que a quantidade de virgens no site subiu de 400 para 20 mil nos últimos dois anos.

* Cinderella Escorts foi contatada pela reportagem da RFI, mas não respondeu ao pedido de entrevista.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos