PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Diante do aumento de casos de Covid-19, Suíça é criticada por suspender quarentena cedo demais

21/06/2020 14h02

As autoridades suíças estão sendo criticadas por terem flexibilizado o isolamento preventivo ligado a pandemia do novo coronavírus. O país assiste um aumento no número de novos casos de Covid-19 e os responsáveis científicos defendem que o fim da quarentena é precipitado.

"O número de casos aumentou 30% nos últimos sete dias", informou o epidemiologista Matthias Egger, presidente da entidade científica federal dedicada à Covid-19. Em uma entrevista divulgada neste domingo (21), ele disse claramente que considera "prematuras as medidas que flexibilizam as regras" preventivas.

Ao contrário de seus vizinhos, a Suíça nunca instaurou um confinamento generalizado, mesmo se algumas medidas preventivas haviam sido implementadas. No entanto, na sexta-feira (19), o governo anunciou uma quarta fase de flexibilização das restrições em vigor.

A partir de agora, já estão autorizados eventos que reúnem até mil pessoas. O toque de recolher, que impunha o fechamento de bares e casas noturna a meia-noite, também foi suspenso. Até agora, os frequentadores desses estabelecimentos noturnos tinham que permanecer sentados - o que impedia, por exemplo, o funcionamento das danceterias. Mas essa obrigação também foi abolida.

"É claro que existem boas razões econômicas e políticas para essa flexibilização", insistiu Matthias Egger. No entanto, ele considera que a decisão é "problemática", já que o sistema de vigilância da epidemia em todo o país ainda não é considerado eficaz.

Egger também defendeu o uso de máscaras de proteção nos transportes e em outros locais onde o distanciamento físico não seria possível. "Com a flexibilização das regras, chegaremos a um ponto onde teremos o adotar o uso desse acessório em grande escala", martelou.

Os suíços foram relativamente poupados pelo novo coronavírus, apesar de sua proximidade com a Itália, que foi o epicentro da pandemia na Europa. A Suíça, como seus 8,5 milhões de habitantes, registrou cerca de 31 mil casos confirmados de Covid-19 e 1.679 mortes, segundo os balanços mais recentes.

Como em todos os países europeus, as autoridades temem uma possível segunda onda de contaminação, após terem conseguido interromper o ritmo de propagação do vírus.

Coronavírus