Refém franco-israelense Mia Shem, um dos rostos que marcaram o conflito em Gaza, é libertada pelo Hamas

A trégua entre Israel e o Hamas foi prorrogada no último minuto até a manhã de sexta-feira (1°), mas parece cada vez mais frágil depois que o ataque reivindicado pelo Hamas deixou três pessoas mortas em Jerusalém na quinta-feira (30). Dois reféns foram libertados em Gaza, incluindo a franco-israelense Mia Shem, cujo rosto se tornou mundialmente famoso graças aos apelos dramáticos de sua mãe aos "líderes mundiais" pelo resgate em vida de sua filha de 21 anos.

Mia Shem foi mantida em cativeiro por 55 dias. Na manhã de 7 de outubro, ela participava da festa rave Supernova no sul de Israel, perto de Gaza, com amigos, quando o ataque do Hamas teve início, matando 364 frequentadores da rave e sequestrando 36 pessoas, levadas para Gaza. Mia e seus amigos tentaram fugir quando os primeiros foguetes foram disparados de Gaza, mas os pneus de seus carros haviam sido furados.

Keren Schem, mãe de Mia, disse na ocasião que tentou ligar para ela às 7h quando a notícia do ataque do Hamas começou a se espalhar, mas suas ligações não foram atendidas.

O New York Times informou que ela foi informada por um dos organizadores da festa, amigo de sua filha, que Mia havia enviado uma mensagem de texto às 7h17: "Eles estão atirando em nós, venha nos salvar".

O rosto da jovem foi visto desde então em todo o mundo, graças à campanha intensa orquestrada por sua mãe para resgatá-la das mãos do Hamas. Foi também Mia Shem a refém que o Hamas decidiu "apresentar" em um primeiro vídeo de propaganda transmitido pelo movimento no poder na Faixa de Gaza. 

As primeiras imagens mostravam Mia Shem deitada em um colchão recebendo tratamento em um braço. Em uma segunda sequência, a jovem de longos cabelos loiros e olhos azuis falou para a câmera em hebraico. Ela disse que estava "sendo mantida em Gaza" e "sendo bem tratada". 

Após a transmissão do vídeo, o presidente francês Emmanuel Macron denunciou "a ignomínia de tomar pessoas inocentes como reféns e a forma odiosa como foram filmados".

Continua após a publicidade

Desde 24 de novembro, 102 reféns - 78 israelenses e 24 estrangeiros - foram libertados pelo Hamas, de acordo com a contagem de Israel. Tel Aviv, por sua vez, libertou 210 prisioneiros palestinos desde 24 de novembro.

(Com agências)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes