Conteúdo publicado há 28 dias

Julgamento de Trump entra em nova fase, com depoimentos de advogado, ex-atriz pornô e modelo da Playboy

Após quatro dias de intensas deliberações para a seleção do júri, o julgamento do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump entra em uma nova fase. As principais testemunhas do caso podem começar a ser ouvidas a partir desta segunda-feira (22). Esta é a primeira vez que um ex-chefe de Estado norte-americano enfrenta um julgamento criminal.

As audiências com testemunhas estão programadas para iniciar nesta semana, destacando-se depoimentos de Michael Cohen, ex-advogado de Trump, e Stormy Daniels, figuras centrais no caso.

Cohen é acusado de ter pago, a pedido de Trump, US$ 130 mil (quase R$ 680 mil na cotação atual) à ex-atriz pornô Stormy Daniels com o objetivo de ocultar um suposto caso extraconjugal ocorrido uma década antes, na reta final da campanha presidencial de 2016.

O ex-advogado já se declarou culpado em 2018, quando estava sendo investigada a possível interferência da Rússia nas eleições vencidas por Trump, de violações de financiamento de campanha, entre outras queixas, alegando que estava trabalhando sob a direção do republicano "com o objetivo principal de influenciar nas eleições presidenciais". Ele foi condenado a três anos de prisão e perdeu sua licença para exercer a profissão.

Além de Cohen e Daniels, são aguardados os depoimentos de Karen McDougal, modelo da Playboy, e Hope Hicks, responsável pela comunicação da campanha de Trump em 2016.

O ex-editor da National Enquirer, David Pecker será o primeiro a testemunhar no julgamento criminal do ex-presidente, segundo informou o The New York Times na noite deste domingo.

Pecker admitiu ter participado de um esquema para ajudar Trump a ser eleito em 2016, que consistia no pagamento de fontes para não revelarem histórias negativas sobre o então, candidato.

Entre os pagamentos realizados pela empresa de Pecker está o suborno à atriz e ex-modelo da Playboy, Karen McDougal, que teria recebido US$ 150 mil para ficar em silêncio sobre um encontro amoroso com Trump. Isso aconteceu quase ao mesmo tempo que os pagamentos feitos à Stormy Daniels.

Próximos Passos e Desafios no Processo Judicial

A seleção do júri se mostrou um verdadeiro desafio, com quase 300 candidatos sendo avaliados sobre suas opiniões a respeito de Donald Trump, seu histórico e suas preferências em termos de veículos de informação.

Continua após a publicidade

O juiz responsável pelo caso, Juan Merchan, enfatizou a importância de manter o anonimato dos jurados, adotando medidas rigorosas de segurança, temendo que suas identidades pudessem ser reveladas, como aconteceu com alguns dos jurados descartados durante o processo de escolha.

Além do jurado, há uma ordem para que Donald Trump não possa expressar nenhum comentário sobre as pessoas envolvidas no julgamento, tanto pessoalmente quanto através das redes sociais. O juiz Merchan programou para esta semana uma sessão para discutir as acusações de desacato ao tribunal feitas pelos promotores contra Trump, devido a postagens em redes sociais que poderiam influenciar as testemunhas.

Durante as próximas seis semanas, a defesa de Trump deverá concentrar esforços em questionar a credibilidade de testemunhas-chave do caso, a culpabilidade legal de um presidente e a complexidade do caso.

Conciliação com campanha presidencial de 2024

Enfrentando 34 acusações criminais por supostamente falsificar registros comerciais em Nova York, Trump descreveu o julgamento como uma "interferência eleitoral" que complica sua candidatura para a presidência em 2024.

"Eu deveria estar em vários lugares diferentes fazendo campanha. Mas estive aqui o dia todo em um julgamento que é realmente um julgamento muito injusto", disse Trump na quinta-feira, após o término da sessão do tribunal.

Continua após a publicidade

Segurança reforçada após incidente

A segurança na área do tribunal foi intensificada após um homem ter ateado fogo em si mesmo em frente ao tribunal no Collect Pond Park, uma área reservada para protestos. As autoridades estão revisando os protocolos de segurança, considerando restrições adicionais ao acesso ao parque e áreas adjacentes ao tribunal. A rua lateral por onde Trump entra e sai do prédio, por exemplo, foi interditada.

"Podemos ter que fechar esta área", disse o vice-comissário do Departamento de Polícia de Nova York, Kaz Daughtry, em entrevista coletiva fora do tribunal na sexta-feira, acrescentando que as autoridades discutiram o plano de segurança a ser executado nesta semana.

Deixe seu comentário

Só para assinantes