PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Governo Bolsonaro afirma que ampliará agenda ultraconservadora pelo mundo

Angela Gandra Martins, Secretária da Família do Ministério da Mulher, Família e dos Direitos Humanos - Pedro Ladeira/Folhapress
Angela Gandra Martins, Secretária da Família do Ministério da Mulher, Família e dos Direitos Humanos Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Maria Carolina Trevisan Colunista do UOL

21/04/2021 04h00

Resumo da notícia

  • Secretária da Família diz que temas serão levados para OEA, OCDE e outras instituições
  • Em evento com grupos americanos e partidos xenófobos da Europa, Brasil explicou sua estratégia doméstica
  • Vídeos do evento foram retirados do ar depois da publicação realizada pelo UOL, no fim de semana

Ângela Gandra, secretária de Família do governo de Jair Bolsonaro, afirmou a parceiros internacionais que as autoridades em Brasília estão comprometidas em expandir a agenda ultraconservadora pelo mundo, levando as pautas antiaborto e de combate ao que chamam de "ideologia de gênero" para novas organizações internacionais.

A informação foi dada pela secretária em um evento no dia 12 de março, no qual participaram também entidades americanas que apoiavam o governo de Donald Trump, movimentos ligados a grupos religiosos e mesmo partidos xenófobos, como o espanhol Vox.

No fim de semana, reportagem publicada pelo UOL revelou a participação do governo brasileiro no encontro e o programa apresentado pela secretária, o que levou entidades do movimento LGBTI+ a denunciá-la e pedir esclarecimentos. Após a publicação, os vídeos com as intervenções de representantes de governos e das entidades foram retirados do ar.

"Ideologia de gênero" é um conceito pejorativo usado pelo campo ultraconservador, muitas vezes ligado ao fundamentalismo religioso, contra os avanços nos direitos sexuais e reprodutivos e na igualdade de gênero, em especial a população LGBTQIA+. Defensores da moral costumam se referir à "ideologia de gênero" como ameaça à sociedade, posicionam-se contrários ao direito ao aborto e usam o conceito de "família" para impor uma agenda que, na realidade, tolhe direitos de quem não se alinha a esse posicionamento conservador.

Ao destacar o compromisso do governo Bolsonaro sobre o tema, a secretária garantiu que as autoridades não se limitarão a implementar as medidas no âmbito doméstico. "Vamos levar para a OEA (Organização dos Estados Americanos) e para a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), em seu tempo", disse Ângela Gandra.

Até agora, a pauta ultraconservadora do governo havia se concentrado em atuações na ONU e na OMS. No caso da OEA, a missão brasileira passará a ser chefiada pelo braço direito do ex-chanceler Ernesto Araújo, Otávio Brandelli.

No caso da OCDE, o Brasil sequer faz parte e uma adesão do país ao organismo deve levar pelo menos mais dois anos para ocorrer.

Fontes no Itamaraty confirmaram à coluna que, apesar da mudança na postura do novo chanceler, Carlos França, em relação aos temas relacionados com a China e o clima, a pauta de costumes não deve ser tocada.

De acordo com a secretária, de fato, programas sobre a "primeira infância, desde concepção" seriam reforçados na agenda internacional, além de o "combate à ideologia de gênero".

O evento no qual a brasileira explicou seu plano era um seminário virtual intitulado "Uma resposta política à 'ideologia de gênero'", promovido pela organização internacional "Polítical Network for Values", uma plataforma de representantes políticos que defende valores como "a proteção da vida humana, o casamento, a família, a liberdade religiosa e de consciência".

No ano passado, ao lado do governo de Donald Trump, o Brasil fez parte de uma iniciativa para frear qualquer expansão da questão de educação sexual na agenda internacional. O projeto ficou conhecido como Consenso de Genebra.

Com a derrota de Trump, Joe Biden anunciou no primeiro dia de seu mandato que estava retirando os EUA da pauta ultraconservadora. Mas, em emails internos, a administração americana indicava aos demais países que o projeto seria mantido e que a condução seria liderada a partir de agora pelo Brasil.

De acordo com os emails, foi o próprio governo brasileiro que se colocou à disposição para liderar o projeto.

"Estamos firmes no Consenso de Genebra, estamos recebendo mais demandas de países que querem estar conosco", disse a secretária, há um mês.

Ao terminar sua participação, a brasileira ainda ouviu um elogio da mediadora do evento, que indicava que "agora é muito importante a liderança do Brasil" e o papel que o país assume nos organismos internacionais.