PUBLICIDADE
Topo

Maestro da orquestra de cordas, Paulo Guedes toca tambor no Fórum de Davos

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

21/01/2020 15h36

Paulo Guedes foi enviado à Suíça como representante da ala modernizante da administração de Jair Bolsonaro. Mas o ministro da Economia iniciou sua participação no Fórum Econômico Mundial de Davos ecoando a pregação do bloco troglodita do governo. "A pior inimiga do meio ambiente é a pobreza", disse Paulo Guedes numa das reuniões de Davos.

Nessa versão, as pessoas destroem a natureza porque "têm fome". Com suas palavras, o ministro tornou-se porta-voz internacional de uma desculpa esfarrapada do seu colega do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Quando quer desviar o foco das queimadas que arderam na Amazônia, Salles fala em harmonizar economia e ambiente, provendo oportunidades para "os 20 milhões de pobres que foram deixados para trás na Amazônia —a região mais rica em recursos naturais."

Atribuir a devastação da floresta aos pobres é uma aberração a serviço da desinformação. A tragédia ambiental de Brumadinho foi fruto de negligência criminosa da Vale, uma das maiores mineradoras do planeta. Na Amazônia, é antiga a ação da rede criminosa que une desmatadores e grileiros. O crime aumentou em 2019 porque Salles e o próprio Bolsonaro sinalizaram que a fiscalização seria afrouxada.

Ao avalizar desculpas que não se sustentam, Paulo Guedes piora a sua estampa sem melhorar a imagem do Brasil. O mundo representado em Davos está conectado à realidade. Consome informações científicas e acompanha as insanidades que Bolsonaro e seus trogloditas pronunciam.

Maestro da orquestra de cordas de Brasília, Guedes compôs uma partitura harmônica. Inclui a reforma da Previdência, déficit fiscal declinante, inflação sob controle e juros miúdos. Por razões que a sensatez desconhece, o ministro atravessou sua própria música com o ruído do tambor ambiental da gestão Bolsonaro. Por sorte, o fórum de Davos vai até sexta-feira. Se quiser, Guedes dispõe de tempo para fazer soar os violinos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Josias de Souza