PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Senado precisa acender a luz da sabatina do indicado de Bolsonaro para STF

Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

22/09/2021 17h38

O senador Davi Alcolumbre, presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, colocou-se na desconfortável posição de ter que explicar uma atitude inexplicável. Foi intimado pelo ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, a informar por que retarda há mais de dois meses a sabatina do ex-advogado-geral da União André Mendonça indicado por Bolsonaro para uma vaga na Suprema Corte.

Está desocupada no Supremo a cadeira do ministro Marco Aurélio Mello, que se aposentou. Pela Constituição, cabe ao presidente da República indicar o substituto e ao Senado avaliar a qualificação do escolhido. Goste-se ou não de Mendonça, o "terrivelmente evangélico", ele foi indicado porque Bolsonaro chegou à Presidência pelo voto popular e o texto constitucional lhe dá o poder da escolha. Os senadores podem aprovar ou rejeitar o escolhido. Só não podem manter o nome no freezer.

Na claridade, alega-se que Alcolumbre congelou a sabatina de Mendonça porque Bolsonaro ataca o Supremo e algumas de suas togas. No escurinho, diz-se que o senador emperra a sabatina para barganhar verbas orçamentárias e para forçar Bolsonaro a trocar o seu preferido "terrivelmente evangélico" pelo procurador-geral Augusto Aras, nome de estimação dos políticos que são terrivelmente avessos à continuidade de processos da Era da Lava Jato.

Coautor do mandado de segurança que levou Lewandowski a requisitar explicações a Alcolumbre, o oposicionista Alessandro Vieira cobra publicamente do colega a apresentação de uma razão republicana para a protelação da sabatina de Mendonça. Nesta quarta-feira, o chefe da Comissão de Justiça do Senado exigiu "respeito" de Vieira. Demora a notar que respeito não se exige. Conquista-se. Com uma justificativa respeitável, Alcolumbre poderia elevar a própria estatura. Sem ela, rebaixa o pé-direito do Senado. Convém acender a luz.