PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Leonardo Sakamoto

Bolsonaro e Moro 'perderiam' para brancos e nulos num 2º turno entre ambos

Adriano Machado/Reuters
Imagem: Adriano Machado/Reuters
Conteúdo exclusivo para assinantes
Leonardo Sakamoto

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em países como Timor Leste e Angola e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). Diretor da ONG Repórter Brasil, foi conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão (2014-2020) e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos (2018-2019). É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), ?Escravidão Contemporânea? (2020), entre outros livros.

Colunista do UOL

29/01/2022 11h27

O presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ex-juiz Sergio Moro (Podemos) aparecem numericamente atrás do total de votos brancos e nulos somados aos eleitores que não quiseram ou souberam responder a pesquisa Ipespe, que simulou um altamente improvável segundo turno entre ambos.

Moro teria 35%, Bolsonaro, 28%, enquanto a massa dos que não votariam em nenhum dos dois somada ao pessoal que não sabe e não quis responder chegaria a 37%. Como a margem de erro é de 3,2 pontos, há um empate técnico entre Moro e o pessoal que não se sente atraído por nenhum dos dois. No levantamento anterior do Ipespe, Moro aparecia com 36%, brancos, nulos e sem resposta, 35% e Bolsonaro, 29%.

A pesquisa também avaliou os cenários hipotéticos de segundo turno entre Lula e Bolsonaro, Lula e Moro, Lula e Ciro, Lula e Doria, Ciro e Bolsonaro e Doria e Bolsonaro, mas a única simulação em que a rejeição ou a dúvida fica numericamente em primeiro lugar é quando a disputa fica entre Jair e Sergio.

Com duas opções à direita que contam com alta rejeição (64% não votariam de jeito nenhum em Bolsonaro e 53% em Moro, segundo a Ipespe), eleitores de esquerda e de parte do centro se sentiriam hoje politicamente órfãos. E ficariam em dúvida do que fazer.

Isso não aconteceria se o segundo turno ocorresse com duas opções mais à esquerda. Numa disputa entre Lula e o ex-governador Ciro Gomes, o resultado seria 51% a 25%, com brancos, nulos e os que não responderam marcando 24%. No primeiro turno, Lula marca 44%, Bolsonaro, 24%, Ciro e Moro, 8%.

Semana termina com boas notícias para Lula e más para Bolsonaro e Moro

Esta semana terminou com boas notícias para o líder petista, que viu o processo pelo tríplex ser arquivado na Justiça Federal de Brasília após pedido do Ministério Público Federal que justificou prescrição.

Isso ocorre porque o Supremo Tribunal Federal, ao considerar que a Vara Federal de Curitiba não era o foro correto para o caso e que o então juiz Moro não foi imparcial no julgamento, acabou invalidando também as provas coletadas. O processo teria que começar do zero.

No sentido contrário, Bolsonaro viu a Polícia Federal afirmar que ele cometeu crime ao participar do vazamento ilegal de dados públicos - dados que ele deturpou e usou para atacar a urna eletrônica. E entrou em embate com o STF, ao se negar cumprir uma ordem do ministro Alexandre de Moraes para depor nesse inquérito.

Já Moro foi pressionado por acusações de conflito de interesses por ter trabalhado nos Estados Unidos como consultor da Alvarez e Marçal, que tinha como clientes empresas que foram alvo do então juiz federal quando cuidava da Lava Jato.

Nesta sexta (28), ele revelou em live que recebeu, ao menos, R$ 3,7 milhões por um ano de serviço - no câmbio de hoje. Nega que tenha lidado com empresas atingidas pela Lava Jato, mas também se nega a dizer para quem prestou consultoria. Por conta disso, o candidato à Presidência continuará sendo cobrado publicamente por mais transparência.