PUBLICIDADE
Topo

GOLPISMO 2: Heleno repudiará uso de sua imagem ou piscará para a bagunça?

General Heleno em protesto a favor do governo e que tinha como alvos o Congresso e o Supremo  - Vinícius Santa Rosa/Metrópole
General Heleno em protesto a favor do governo e que tinha como alvos o Congresso e o Supremo Imagem: Vinícius Santa Rosa/Metrópole
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa “O É da Coisa”, na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

25/02/2020 10h31

A bola está com o general Augusto Heleno, chefe do Gabinete da Segurança Institucional. Ele terá a coragem e a honradez de vir a público para desautorizar o uso de sua imagem e de colegas seus de farda num protesto que pede o fechamento do Congresso? Caso silencie ou se expresse por palavras ambíguas — como fez quando Eduardo Bolsonaro defendeu um novo AI-5 —, então estará endossando o baguncismo e contribuindo para levar a baderna para dentro dos quarteis.

Ele está obrigado a se manifestar. Até porque esse protesto nasceu de palavras suas. Que não foram roubadas por ninguém. Foi uma transmissão feita por uma página do presidente numa rede social a revelar o que ele pensa, na intimidade dos pares, sobre o Congresso Nacional.

Em tempos que policiais militares estão mobilizados em pelo menos 12 Estados; em que um senador da República não morreu apenas por capricho do destino em confronto com grevistas; em que as relações do Poder Legislativo com o Executivo voltam ao estado de degenerescência, não é nem seguro nem institucional dar apoio velado a fascistoides e idiotas que não entendem o funcionamento da democracia.

E não bastará a Heleno dizer: "Não autorizei o uso do meu nome da minha imagem". É preciso que ele diga com todas as letras que o papel das Forças Armadas não é emparedar o Congresso. Ou ele o faz ou vira personagem de uma aventura golpista, ainda em forma larvar. E, sabem como é, se queremos evitar os problemas, melhor é conter o bicho ainda quando larva.

Fale, general! Desautorize a convocação que recorre à imagem dos militares e defenda a Constituição.

O senhor tem coragem e autonomia para fazê-lo?

Ou se inaugura, então, uma pasta nova no Palácio do Planalto: o Gabinete da Bagunça Institucional.

Reinaldo Azevedo