Topo

Tales Faria


Rodrigo Maia aceita encontro com Lula mas não discute candidatura a vice

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, começa a falar em seu próprio projeto em vez  candidatura a vice - Kleyton Amorim/UOL
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, começa a falar em seu próprio projeto em vez candidatura a vice Imagem: Kleyton Amorim/UOL
Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Colunista do UOL

19/11/2019 12h11

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aceitou a proposta do deputado José Guimarães (PT-CE) de receber para um encontro o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Mas Maia rechaça discutir, por enquanto, a possibilidade da assumir um lugar na política brasileira que já foi ocupado pelo ex-vice-presidente da República José Alencar.

O empresário mineiro, que foi dono da indústria têxtil Coteminas, morreu em março de 2011 de câncer. De perfil bem mais liberal que os petistas, o fato de ter aceitado concorrer a vice-presidente na chapa de Lula foi considerado decisivo para a vitória do candidato do PT em 2002.

Alencar se tornou um grande amigo de Lula e foi reeleito vice-presidente em 2006. Ficou no cargo até 2010.

Autor da proposta do encontro com Lula, o deputado José Guimarães não esconde que gostaria de ver Rodrigo Maia como vice numa chapa encabeçada pelo petista.

Mas tanto ele como outros integrantes da esquerda próximos ao presidente da Câmara -como o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP)- consideram difícil essa possibilidade.

Aos que o perguntaram sobre a chance de uma aliança com Lula, Rodrigo Maia respondeu que não enxerga essa possibilidade e, por isso, pretende manter um encontro protocolar, no gabinete da presidência da Câmara e não na sua residência. Para evitar especulações.

"Ele é um ex-presidente da República e eu não recusaria o encontro. Mas agora é hora de cuidar do meu projeto", respondeu.

Maia é tido entre os políticos como um parlamentar com sucesso e muito trânsito no Congresso, no poder e em Brasília. Mas com baixa viabilidade eleitoral, devido à falta de carisma pessoal.

Ele, no entanto, não se vê assim. Nas vezes em que é confrontado, lembra que Fernando Henrique Cardoso também não era considerado bom de voto até se eleger presidente da República.

Hoje seu projeto é juntar os partidos de centro e se colocar, ele próprio, como uma alternativa à polarização entre Lula e a ultra direita conservadora, liderada pelo presidente Jair Bolsonaro.

Rodrigo Maia não aposta no sucesso das candidaturas presidenciais do tucano João Doria e do apresentador da TV Globo Luciano Huck. Mas quer manter a aproximação e o diálogo com ambos na tentativa de conquistar uma parcela do PSDB, do Cidadania e dos movimentos por renovação política que Huck e Doria cultivam.

A ideia é juntar esse grupo aos partidos apontados no Congresso como o Centrão (DEM, MDB, PP, PR, Solidariedade) e até evangélicos ligados ao PRB para dar a largada na sua candidatura.

Depois, mais tarde, se o projeto não decolar, aí poderá negociar.

Por outro lado, Lula e os dirigentes do PT também evitarão falar em aliança. Mas a verdade é os petistas gostam de pensar na possibilidade de aparecer a um novo José Alencar em 2022.