PUBLICIDADE
Topo

UOL Confere

Uma iniciativa do UOL para checagem e esclarecimento de fatos


Vídeo em que Gleisi Hoffmann pede suspensão do WhatsApp é antigo

19.nov.2021 - Post distorce teor de vídeo antigo de Gleisi Hoffmann (PT-PR) ao omitir que gravação foi feita em 2018 - Arte/UOL sobre Reprodução/Instagram Paulo Bilynskyj
19.nov.2021 - Post distorce teor de vídeo antigo de Gleisi Hoffmann (PT-PR) ao omitir que gravação foi feita em 2018 Imagem: Arte/UOL sobre Reprodução/Instagram Paulo Bilynskyj

Bernardo Barbosa

Do UOL, em São Paulo

19/11/2021 18h06

Posts no Instagram tratam de forma distorcida um vídeo em que a deputada federal paranaense Gleisi Hoffmann, presidente do PT, aparece defendendo a suspensão do WhatsApp antes do segundo turno das eleições de 2018. A gravação é antiga, mas tem circulado sem a menção à data, como se fosse atual. As publicações também não dizem que a declaração faz parte de uma fala mais ampla em reação à revelação, pela Folha, de um esquema de disparos de mensagens contra o PT durante aquela campanha eleitoral.

O UOL Confere não encontrou publicações que permitissem determinar a data exata da fala da petista, mas foi possível localizar, por meio de busca reversa de imagens, pelo menos três vídeos da declaração publicados na segunda quinzena de outubro de 2018 (veja aqui, aqui e aqui), pouco antes do segundo turno das eleições presidenciais daquele ano. Com isso, é possível afirmar que a frase dita por Gleisi não é recente.

Outro elemento que ajuda a situar o vídeo no tempo são cartazes ao fundo que mencionam a chapa formada por Fernando Haddad (PT) e Manuela D'Ávila (PCdoB), que disputou a presidência e a vice-presidência em 2018. Outro vídeo do mesmo evento em que Gleisi discursou, feito de outro ângulo, permite ver os cartazes que citam a chapa (veja aqui e aqui).

No trecho compartilhado nos posts distorcidos, Gleisi diz: "Acho que a primeira coisa que a gente tinha que pedir é a suspensão do WhatsApp até finalizar a eleição." A declaração faz parte de uma fala da presidente do PT em que ela comentava o esquema de disparos em massa, bancado por empresários, de mensagens de WhatsApp contra o partido. No entanto, o contexto da frase não aparece no trecho compartilhado nos últimos dias no Instagram.

O vídeo com a declaração de Gleisi voltou a circular no fim de outubro entre perfis de apoio ao presidente Jair Bolsonaro, em paralelo ao julgamento no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que inocentou a chapa formada por Bolsonaro e pelo vice Hamilton Mourão (PRTB) pelo caso dos disparos em massa.

O trecho com a frase antiga da petista voltou a aparecer entrou em uma nova leva de posts feitos desde ontem (18). Algumas das publicações deixam claro na descrição que trata-se de um vídeo gravado em 2018. Outras, no entanto, omitem esta informação, como posts do deputado federal Guiga Peixoto (PSL-SP) e do delegado Paulo Bilynskyj — neste último, o vídeo teve mais de 200 mil visualizações, segundo a ferramenta de monitoramento Crowdtangle.

O UOL Confere é uma iniciativa do UOL para combater e esclarecer as notícias falsas na internet. Se você desconfia de uma notícia ou mensagem que recebeu, envie para uolconfere@uol.com.br.