PUBLICIDADE
Topo

MP de Goiás denuncia grupo que recebia propina para furar fila em hospital do SUS

Rafhael Borges

Do UOL Notícias, em Goiânia

30/11/2011 13h36

O Ministério Público (MP) de Goiás denunciou nesta terça-feira (29), à 8ª Vara Criminal de Goiânia, quatro pessoas envolvidas em um esquema para furar a fila de cirurgias de urgência e emergência no maior hospital da capital, o Hugo.

A servidora Cléria Pires da Silva, que era coordenadora do Setor de Autorização de Internação Hospitalar em 2008, é a principal suspeita da fraude. Os valores da propina variavam entre R$ 50 e R$ 200.

De acordo com a denúncia apresentada pelos promotores do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), Silva aproveitava-se do cargo para agilizar os procedimentos sem considerar a gravidade dos casos.

Os outros denunciados são Áudima Cristina de Bastos Celes, José Garcia Pires e Edvaldo dos Santos Rosa --Pires era vereador em Itapuranga (GO) e Bastos e Rosa eram assessores políticos.

O promotor Denis Bimbati afirmou que ainda não tem como provar que os favorecidos com lugar na fila eram eleitores do político, mas pediu o imediato afastamento de Silva. “O fato é que essas pessoas praticavam esse tipo de ação”, declarou.

Em nota, a Secretaria Estadual da Saúde (SES) em Goiás declarou que ainda não foi oficialmente notificada pelo Ministério Público sobre o pedido de suspensão do cargo de Cléria Pires da Silva, servidora do Hugo. De acordo com a secretaria, as denúncias já estão sendo apuradas internamente, e assim que houver uma posição, a SES vai se pronunciar. “A servidora exerce cargo de comissão desde 1998 e atualmente trabalha na Central de Esterilização do Hospital”, completa a nota divulgada pela pasta.

Cotidiano