PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Desalojados do Pinheirinho aceitam ir para abrigo da prefeitura; famílias ocupam outra área

Guilherme Balza

Do UOL, em São José dos Campos

25/01/2012 13h26Atualizada em 25/01/2012 17h34

Os moradores desalojados da região de Pinheirinho, em São José dos Campos (97 km de São Paulo), que estavam temporariamente abrigados em uma igreja, aceitaram a oferta de ir para abrigos da prefeitura nesta quarta-feira (25). Após a reintegração de posse realizada pela polícia no último domingo (22), cerca de mil pessoas estavam em uma igreja do Campo dos Alemães, uma comunidade vizinha ao Pinheirinho, segundo contagem a liderança dos moradores.

As pessoas --entre elas, idosos e crianças-- caminharam por mais de uma hora carregando seus animais de estimação e sacolas, e sob um sol forte, a temperatura beirava os 35ºC. De acordo com a prefeitura, foram disponibilizados ônibus para o trajeto, mas os desalojados teria recusado porque queriam que a caminhada fosse uma "passeata". A reportagem do UOL conversou com um dos líderes do Pinheirinho, e ele negou a informação de que os veículos foram colocados à disposição dos moradores.

Desconfiados dos abrigos oferecidos pela prefeitura, os moradores preferiram ficar na igreja, mas não estavam recebendo qualquer assistência do governo municipal e viviam de doações. Com isso, uma assembleia realizada ontem pela liderança do movimento, decidiu pela mudança.

Os desabrigados ficarão agora no ginásio poliesportivo Benedito Bento, um dos abrigos oficiais da prefeitura, que fica a 4 km da igreja. Em comitiva, os moradores se encaminharam a pé para o local e chegaram por volta das 14h.

Paralelamente, sete famílias oriundas do Pinheirinho invadiram uma área em São José dos Campos conhecida como Rio Comprido, na beira da rodovia Presidente Dutra e que já foi alvo de ocupação no passado. A informação, confirmada nesta quarta-feira por uma equipe de jornalistas que esteve no local, foi desmentida pela polícia, que disse não ter conhecimento do caso.

Em entrevista coletiva mais cedo, o advogado do movimento, Antonio Donizeta Ferreira, disse que o movimento continuará brigando para obter de volta a área do Pinheirinho e que a desapropriação pode ser feita por qualquer um dos três entes federativos. “O governo federal, estadual e municipal podem fazer, é só declarar que a área é de interesse social. É uma questão de vontade política”, afirmou Ferreira.

Questionado se havia possibilidade de uma nova ocupação na área, o advogado desconversou. “O que leva à ocupação não são as lideranças, mas a necessidade de moradia pela população pobre. Eu não posso dizer que não haverá nova ocupação.”

Processo

Mais cedo, o representante do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos (Condep), Renato Simões, informou que foi aberto um processo para apurar as denúncias de abusos cometidos contra os moradores do bairro durante a ação policial. O órgão investiga as suspeitas de violações cometidas por parte de integrantes dos governos estadual e municipal.

O coronel da Polícia Militar Manoel Messias Mello, que comandou a operação de reintegração, diz não ter presenciado ou ter recebido informações de casos de violência e abuso. “Usamos armas não letais. Fizemos o necessário para conter a pressão”, afirmou. O policial disse que foi empregado elevado número de PMS na ação (2.000) para diminuir a possibilidade de confronto. “Quando se põe muita gente é para desestimular um confronto forte. É uma medida preventiva. Sabemos que isso foi perfeitamente favorável.”

Ontem, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) prometeu dar bolsa-aluguel para 960 famílias do Pinheirinho cadastradas pela Prefeitura de São José depois da reintegração. Segundo o advogado, o movimento exigirá que sejam pagas 1.500 bolsas para atender famílias que não se cadastraram.

Supostos desaparecidos

Na noite de ontem, em assembleia, os moradores criaram uma comissão para procurar sete pessoas que estariam desaparecidas desde a operação.

Um dos presentes, o servidor público Antonio Carlos dos Santos, 63, afirma não ter notícias da irmã e de três sobrinhos desde a desocupação. Ele deixou o município de Caçapava e foi até São José dos Campos atrás dos familiares, mas diz que não os encontrou nos abrigos onde estão as famílias. “Estou desesperado. Já faltei no trabalho dois dias para procura-los, mas não os acho."

A polícia não confirma que haja desaparecidos após a operação. Segundo balanço oficial, cerca de 20 pessoas ficaram feridas e não houve registro de mortos.

A área

Com 1,3 milhão de metros quadrados, a área que abrigava a comunidade pertencia à massa falida da Selecta, do investidor Naji Nahas. O terreno havia sido ocupado há oito anos pelas famílias e foi desocupado por decisão do Tribunal de Justiça do Estado.

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), havia cerca de 6.000 moradores no Pinheirinho, mas menos de 3.000 foram cadastradas pela prefeitura de São José dos Campos. (Com Agência Brasil)

Cotidiano