Caso Eliza Samudio

Defesa de Macarrão processará advogado do goleiro Bruno por afirmação sobre relação gay

Rayder Bragon

Do UOL, em Belo Horizonte

  • Alex de Jesus/ O Tempo/ AE

    O advogado quer explicação sobre as afirmações sobre a suposta relação homoafetiva entre Bruno (foto) e Macarrão

    O advogado quer explicação sobre as afirmações sobre a suposta relação homoafetiva entre Bruno (foto) e Macarrão

O advogado Leonardo Diniz, defensor de Luiz Henrique Romão, o Macarrão, confirmou nesta quarta-feira (11) que vai processar Rui Pimenta, que cuida da defesa do goleiro Bruno, por conta de ele ter afirmado a existência de uma relação homossexual entre Macarrão e Bruno.

Os dois vão a júri popular, ainda sem data definida, juntamente com mais seis réus, pelo sumiço de Eliza Samudio, ex-amante de Bruno.

Diniz falou rapidamente com o UOL, mas afirmou que apresentou na terça-feira (10) uma medida preparatória de processo de difamação na 10ª Vara Criminal do Fórum Lafayette, situado em Belo Horizonte. "Já está em andamento o processo contra ele", disse Diniz.

O advogado quer a explicação, em juízo, sobre as afirmações de Pimenta que versaram sobre a suposta relação homoafetiva que Bruno e Macarrão manteriam.

Pimenta iniciou essa tese depois que reportagem veiculada na última edição da revista Veja trouxe carta na qual o goleiro pede a Macarrão para assumir o assassinato de Eliza Samudio. Anteriormente, o advogado já havia mencionado que Macarrão teria verdadeira "adoração" por Bruno, insinuando uma situação homossexual por parte do amigo do jogador.  

Segundo Pimenta, a carta teria sido feita, na verdade, com o intuito de o goleiro colocar um ponto final na relação gay com o amigo. Diniz explicou que as afirmações do colega de profissão atentaram contra a honra do cliente, que, segundo ele, não é homossexual.


Já Francisco Simim, que faz parte da defesa de Bruno juntamente com Pimenta, adiantou também que o goleiro havia negado a suposta relação homoafetiva com Macarrão.

O UOL tentou contato com Rui Pimenta, mas o celular dele estava desligado.

Autoria do crime

Leonardo Diniz afirmou ainda que o seu cliente não vai assumir o suposto assassinato de Eliza Samudio.

Conforme a revista, o conteúdo da correspondência sugere que o goleiro, com o envio da carta, coloca em prática uma estratégia intitulada de "plano B" –que Macarrão assumisse o crime sozinho–, sendo que o "plano A" seria negar a autoria da morte da jovem, o que os réus sempre afirmaram até o momento. Conforme Rui Pimenta, o goleiro assumiu ter sido a autor da carta.

"Não há essa possibilidade. Primeiro, porque na linha defensiva (utilizada pelo advogado) do Luiz Henrique não há prova da existência do crime. Não há a possibilidade de ele assumir algo que não ocorreu", afirmou Diniz.

A carta não foi entregue a Macarrão porque foi interceptada por um agente penitenciário, de acordo com a reportagem. A Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), responsável pela unidade prisional, investiga agora como ela saiu da penitenciária. Segundo o órgão, Bruno teria pedido a outro detento para entregar a correspondência ao amigo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos