Em ano atípico, horário de verão deixa de reduzir gasto com energia por causa de manutenção de termelétricas

Do UOL, em São Paulo

Diferentemente dos anos anteriores, o horário de verão, que está em vigor desde 21 de outubro do ano passado e acaba à 0h deste domingo (17) em dez Estados do país, deixou de reduzir gastos com energia porque o governo precisou manter a capacidade de funcionamento das usinas termelétricas a pleno vapor para evitar o racionamento de energia. Em 2012, o governo deixou de gastar R$ 160 milhões com as térmicas durante o horário de verão.

O horário de verão economizou 2.477 megawatts (MW) no período de pico (entre as 18h e as 21h) nos Estados onde foi implementado, número equivalente a 4,5% da demanda máxima nos três subsistemas onde a mudança de horário vigorou, segundo balanço divulgado nesta sexta-feira (15) pelo ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico).

Se as termelétricas não estivessem ligadas no período, essa redução significaria uma economia de R$ 200 milhões em energia, mas como elas continuaram a todo vapor, a isso o governo chamou de "despesa evitada". Isso porque a economia de energia proporcionada pelo horário de verão contribuiu para a recuperação dos reservatórios do sistema, mas não para a economia de energia.

Com gasto médio de 250 MW de energia no período do horário de verão, a redução do consumo de energia foi incorporado aos ganhos de armazenamento no período e, valorizados por um custo médio de geração térmica.

Essa redução de 250 MW/med representa 0,5% da carga dos subsistemas envolvidos e equivale a 8% do consumo mensal da cidade do Rio de Janeiro, mais 10% do consumo mensal de Curitiba, somados a 2% do consumo mensal de Palmas, por exemplo.

Histórico

Por causa do baixo nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas registrado nos últimos meses, o governo teve que acionar as térmicas, que produzem energia mais cara e são mais poluentes. Atualmente, 14 mil megawatts de energia térmica estão acionados.

As usinas termelétricas devem continuar em funcionamento pelo menos até abril, declarou o presidente da EPE (Empresa de Pesquisa Energética ), Maurício Tolmasquim, na semana passada.

Segundo Tolmasquim, a situação dos reservatórios das hidrelétricas está se normalizando. "Está chovendo o que se esperava, está uma situação boa, mas mesmo assim devemos manter as térmicas funcionando". Ele explicou que as térmicas funcionam como um seguro, e seu acionamento garante que não haverá problema de desabastecimento.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos