Topo

Mais de 70 são detidos em manifestação no centro de SP; PM fica ferido

Um ônibus é queimado durante ato do MPL (Movimento Passe Livre) no terminal Parque Dom Pedro 2º, centro da capital paulista - Flávio Florido/UOL
Um ônibus é queimado durante ato do MPL (Movimento Passe Livre) no terminal Parque Dom Pedro 2º, centro da capital paulista Imagem: Flávio Florido/UOL

Marcelo Pellegrino*

Do UOL, em São Paulo

25/10/2013 18h09Atualizada em 26/10/2013 00h32

Setenta e oito manifestantes foram detidos, após protesto da Semana Nacional de Luta pela Tarifa Zero, realizado na região central de São Paulo, na noite desta sexta-feira (25), segundo a Polícia Militar. Os ativistas invadiram e depredaram o terminal Dom Pedro 2º, que chegou a ter a operação interrompida por cerca de 40 minutos. Um policial ficou ferido

Protesto por tarifa zero em SP acaba com terminal depredado

Cerca 3.000 pessoas participaram do ato, segundo a Polícia Militar. Alguns delas --a maioria mascaradas-- invadiram o terminal, por volta das 20h, aos gritos "hoje não tem catraca". Os manifestantes, que reivindicavam a tarifa zero na capital paulista, incentivavam que passageiros não pagassem as passagens. 

Os mascarados colocaram fogo em um ônibus, destruíram os vidros de outro e picharam alguns coletivos. Também usaram extintores para quebrar cabines, caixas eletrônicos e bilheterias. O coronel Reynaldo Rossi foi ferido pelos manifestantes e levado para o Hospital das Clinicas, segundo confirmou a unidade de saúde. A PM informou que ele teve a clavícula quebrada e muitas escoriações na região da face e cabeça,

O protesto, organizado pelo Movimento Passe Livre, começou pacificamente em frente ao Theatro Municipal de São Paulo, por volta das 17h, com a interdição da praça Ramos de Azevedo, junto à rua Conselheiro Crispiniano. Às 18h40, os manifestantes saíram em passeata pela avenida São João e, depois, pela avenida Prestes Maia, sentido Viaduto do Chá. Por volta das 19h15, os manifestantes atravessaram o túnel do Anhangabaú em direção à avenida 23 de Maio, no sentido do aeroporto de Congonhas. E, após quinze minutos, a opção foi seguir em direção a avenida Brigadeiro Luís Antônio.  

O ato foi convocado pelas redes sociais e quase 7.000 pessoas confirmaram a participação na manifestação. No convite, o grupo, que reivindica a tarifa zero na cidade, diz que a redução dos R$ 0,20 no valor da passagem foi só o começo. "Agora só faltam R$ 3,00", diz.

A Semana Nacional de Luta pela Tarifa Zero é realizada anualmente pelo MPL desde 2005, por causa dos atos do dia 26 de outubro de 2004, conhecidos como "revolta da catraca". Na época, segundo a militante Nina Cappello, o movimento conseguiu a aprovação do passe livre para estudantes de Florianópolis.

Neste ano, as comemorações tiveram início na segunda-feira (21) com um protesto em M'Boi Mirim, na zona sul. Na quarta-feira (23), os manifestantes voltaram para as ruas em um ato na região do Grajaú, também na zona sul da cidade, que terminou com confronto entre manifestantes e policiais. Ao menos 23 pessoas foram levadas ao 101º Distrito Policial de São Paulo.

Na quinta-feira (24), a ação foi realizado em Campo Limpo (zona sul), mas sem nenhuma ocorrência de violência. "São atividades mais regionais, diferente dos protestos de junho, que eram mais massivos", diz Nina. 

Cotidiano