Samarco aumentou volume de rejeito após laudo de segurança, diz consultoria

Carlos Eduardo Cherem

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte

  • Fred Loureiro/Secom (ES)

    Onda de lama invade o rio Doce na cidade de Resplendor (MG)

    Onda de lama invade o rio Doce na cidade de Resplendor (MG)

Técnicos da VogBR, empresa responsável pelo laudo que atestou em julho de 2015, a segurança da barragem do Fundão da Samarco, disseram aos procuradores que investigam o caso, nesta quinta-feira (18), que o nível barragem estava quatro metros mais baixa do que, no momento, em que se rompeu.

Assim, teria havido um acréscimo de rejeitos durante os quatro meses após a emissão do laudo, o que poderia ter provocado o rompimento, segundo o advogado da VogBR, Leonardo Marinho, que acompanhou os depoimentos dos engenheiros da empresa.

"O número estava dentro do coeficiente de segurança em julho de 2015. Quatro meses se passaram até o rompimento da barragem. O laudo é retrospectivo e não avalia futuramente. Quando terminamos era em julho de 2015 e a barragem estava quatro metros mais baixa do que no momento do rompimento, ocorrido em novembro", disse Marinho.

O coeficiente de segurança, nos locais analisados na barragem, era de 1,68 em julho do ano passado, ou seja, a índice estava acima do 1,5, valor mínimo exigido pela legislação. 

"São realidades muito diferentes, pois nesses quatro meses ocorreram operações diárias, com alteamento e mais rejeitos sendo depositados", afirmou.

O rompimento da barragem do Fundão provocou a morte de pelo menos 17 pessoas e uma onda de lama que atingiu mais de 30 cidades de Minas Gerais e Espírito Santo.

Sete pessoas foram ouvidas pelo Ministério Público Federal nessa quinta-feira (18), entre empregados da Samarco, da VogBR e da Pimenta D'Avila, responsável pelo projeto de construção de Fundão.

Outro lado

Em nota, no início da noite desta quinta-feira (18), a Samarco negou a informação e voltou a afirmar que "a barragem de Fundão sempre foi declarada estável".

"Em nenhuma oportunidade, nos constantes monitoramentos, inspeções, avaliações, relatórios de consultorias especializadas internas ou externas houve qualquer advertência de que a operação da barragem estivesse sujeita a qualquer risco de ruptura", afirmou a mineradora por meio de nota.

"O manual de operação da barragem sempre foi rigorosamente observado pela empresa".

Na semana passada, o procurador da República José Adércio Leite Sampaio disse que deve oferecer denúncia contra os responsáveis pelo rompimento da barragem do Fundão num prazo de 60 dias.

O caminho da onda de lama e destruição

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos