Violência no Rio

"Deveriam mudar para Tribunal da Injustiça", diz mãe do menino Eduardo sobre arquivamento

Paula Bianchi

Do UOL, no Rio

  • Paula Bianchi/UOL

    Terezinha participa de protesto contra o arquivamento do processo em frente ao Ministério Público, no Rio

    Terezinha participa de protesto contra o arquivamento do processo em frente ao Ministério Público, no Rio

Cerca de um ano e meio após a morte do menino Eduardo de Jesus, 10, atingido por um tiro de fuzil na cabeça na frente de casa, no Complexo do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro, a Justiça decidiu na terça-feira (29) pelo arquivamento do processo contra os PMs envolvidos no caso alegando "inépcia" da denúncia e falta de provas. Para a mãe de Eduardo, Terezinha de Jesus, a decisão é uma "grande injustiça" e mostra que o sistema judiciário brasileiro ignora "pretos, pobres e favelados".

"O policial matou meu filho, não foi o filho de um desembargador, do juiz, do governador. Se tivesse sido, talvez tivéssemos justiça. Mas como foi o filho de uma pobre, de uma preta e de uma favelada encerraram o caso", afirmou, durante um ato organizado pela Anistia Internacional em frente ao Ministério Público nesta quarta (30), em protesto pelo arquivamento do caso. "Deveriam mudar o nome para Tribunal de Injustiça."

Terezinha, que chegou a trocar o Rio pela sua cidade natal, no Piauí, por medo da violência, voltou à capital fluminense e hoje mora e trabalha como cozinheira em uma chácara em Guaratiba, na zona oeste.

Ela diz seguir com medo, tendo "trocado o tráfico pela milícia" --a região é dominada por milicianos, grupos paramilitares, em geral formados por ex-PMs, que exploram serviços como distribuição de gás e TV a cabo, e que têm presença forte na zona oeste, que concentra boa parte da população mais pobre da cidade.

Carlos Moraes/Agência O Dia/Estadão Conteúdo
17.abr.2015 - Os policiais militares suspeitos da morte participaram da reconstituição do crime no Complexo do Alemão encapuzados

"Não posso nem usar a camiseta com a foto do meu filho lá", conta.

Dois dos seus filhos acabaram ficando no Piauí; outros dois, trocaram o Alemão por Ramos, bairro vizinho ao Complexo da Maré, também na zona norte da cidade. Uma das filhas, grávida na época da morte do irmão, batizou o filho de Eduardo. "Ele fez um ano", conta Terezinha.

O inquérito da Polícia Civil, encerrado em novembro de 2015, havia concluído que os policiais agiram em legítima defesa. Segundo o delegado Rivaldo Barbosa, a investigação mostrou que cinco PMs --dois do Batalhão de Choque e três da UPP-- estavam na região conhecida como Areal quando foram atacados por criminosos.

Dois dos policiais que estavam à frente, ambos da UPP, revidaram, atirando com fuzis caibre 762 na direção dos bandidos. Uma dessas balas teria atingido Eduardo, que morava perto e estava a apenas cinco metros dos policiais. Ele morreu na hora. A perícia não conseguiu definir se algum dos dois PMs foi o autor do tiro.

Terezinha diz que não houve tiroteio e questiona a legítima defesa. "Encerraram o caso dizendo que foi legítima defesa, mas meu filho que estava indefeso. Enquanto eu tiver vida, vou lutar por justiça", afirma. 

Em junho de 2015, o governo do Estado indenizou a mãe de Eduardo e a família por danos morais e materiais ao reconhecer a responsabilidade dos policiais na morte. "Foi um erro que ninguém admite", disse à época o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB).

Governador admite erro em operação no Complexo do Alemão

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos