Um dos homens que mataram ambulante foi "vítima de infidelidade", diz delegado

Janaina Garcia

DO UOL, em São Paulo

  • Reprodução

    Alipio dos Santos (à esq.) e Ricardo do Nascimento, suspeitos de espancar o ambulante Luiz Carlos Ruas até a morte

    Alipio dos Santos (à esq.) e Ricardo do Nascimento, suspeitos de espancar o ambulante Luiz Carlos Ruas até a morte

O delegado Osvaldo Nico, do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), afirmou nesta terça-feira (27) que um dos acusados de espancar até a morte o ambulante Luiz Carlos Ruas, 54, na noite de domingo (25), teria saído de casa naquele dia "muito nervoso" ao "descobrir uma infidelidade da esposa". Nico refere-se a Alipio Rogerio dos Santos, 26, acusado do crime juntamente com o primo, Ricardo do Nascimento, 21.

"Tudo aconteceu porque ele foi vítima de uma infidelidade de sua esposa, mas nada justifica. Ele saiu brigando com seus vizinhos --saiu nervoso brigando com todo mundo", afirmou o delegado, após conversar com familiares dos dois jovens.

Arquivo pessoal
Luiz Carlos Ruas, ambulante que foi espancado até a morte após ajudar travestis

O crime aconteceu dentro da estação de metrô Pedro 2º, no centro da capital paulista, quando Ruas tentava proteger uma travesti moradora das imediações da estação que era agredida pelos homens.

De acordo com o policial, a travesti "chamou atenção de um deles porque ele estava urinando em lugar público, e ele já estava com uma raiva grande", observou.

A Polícia Civil prendeu na noite de terça Ricardo Martins do Nascimento, que estava estava escondido na casa de um amigo em Itupeva (SP). Já Alípio Rogério Belo dos Santos, foi preso na quarta, em Itaquera, zona Leste da capital. Ambos foram transferidos na tarde de quarta para o 77º DP, no bairro de Santa Cecília.

Os dois jovens foram indiciados por homicídio qualificado e lesão corporal. Eles alegam legítima defesa, dizem que estavam alcoolizados e que Alípio levou uma garrafada de Ruas antes de agredi-lo.

O delegado não adiantou se eventual responsabilidade da Companhia do Metropolitano (Metrô-SP) será apurada nas investigações. Pelas imagens divulgadas pelo próprio Metrô, o ambulante apanhou com socos e pontapés, dentro da estação, por pelo menos dois minutos. A empresa alegou que os seguranças atendiam outra ocorrência em uma estação vizinha.

"Graças à atuação do pessoal do metrô que conseguimos fotos, vídeos, tanto que uma pessoa da cabine fez 32 fotos. A agressão começou fora -- eles [funcionários do metrô] vão ser chamados, vão ser ouvidos, mas ainda precisamos prender primeiro os dois, depois vamos seguir no inquérito", concluiu o delegado.

Marivaldo Oliveira/ Código 19/ Estadão Conteúdo
O delegado Osvaldo Nico, responsável pelas investigações

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos