Atirador de Campinas cresceu no bairro, conta vizinha de vítimas de chacina

Thiago Varella

Colaboração para o UOL, em Campinas (SP)

Os moradores da Vila Proost de Souza, em Campinas (SP), acordaram perplexos, neste domingo (1º), com a chacina que deixou 13 mortos na rua Pompílio Morandi. Pouco minutos antes da meia-noite, Sidnei Ramis de Araújo, 46, invadiu uma festa de família atirando nos convidados. Ele matou sua ex-mulher, seu filho de oito anos e outras dez pessoas. Ao final, ele se suicidou.

Pela manhã, os vizinhos tentavam entender o que teria motivado o homem, que cresceu no bairro e era conhecido por muitos.

Nas calçadas e nas garagens, esse era o assunto que dominava os bate-papos. Muitos estavam em choque com o ocorrido e poucos concordavam em conversar com os jornalistas que estavam no local.

"Vocês vão embora daqui a pouco e a gente fica por aqui", justificou uma moradora de 51 anos e que vive há 40 na rua Pompílio Morandi, a poucos metros da casa onde ocorreu a chacina. Sem se identificar, ela contou para o UOL um pouco sobre Sidnei.

"É uma tragédia terrível. A mãe dele passou há pouco tempo por uma cirurgia no coração. O pai também é vivo e agora perdeu, de uma só vez, o filho e o neto. Não dá para entender o que passou na cabeça dele", disse a moradora que estava no portão da casa da vizinha conversando justamente sobre o crime.

Thiago Varella/UOL
Mancha de sangue em muro da casa em que houve chacina em Campinas

Segundo a dona de casa, o atirador cresceu no bairro e era, na infância, muito amigo de seu irmão. Os dois chegaram a servir juntos no Exército. Como Sidnei frequentou muito sua casa, ela estava decidida a não contar nada para sua mãe, de 80 anos, que o conhecia desde pequeno. A moradora contou que, durante muitos anos, o pai do autor da chacina teve uma espécie de mercearia bem na esquina do quarteirão onde fica a casa que virou palco do crime.

"O Sidnei chegou a morar com a mulher dele dentro do comércio por algum tempo. Depois se mudaram", disse. Depois da separação, o atirador era visto raramente no bairro. Sabe-se que vivia em uma vila vizinha e que trabalhava em uma multinacional na cidade de Paulínia.

Segundo a polícia, explosivos foram encontrados junto ao corpo do atirador. O boletim de ocorrência não especifica se estavam em bolsos, mochila ou amarrados ao corpo. O Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais) foi chamado ao local e recolheu os artefatos.

O autor do crime utilizou uma pistola de 9 mm com dois carregadores para fazer os disparos contra as vítimas. Sidnei estaria inconformado com o recente processo de separação e com a perda da guarda do filho.

Pouco antes da meia-noite do dia 31, ele teria pulado o muro da residência onde as pessoas estavam. Depois de invadir a festa, ele matou dez pessoas que estavam em um mesmo cômodo. Depois disso, se dirigiu até outro cômodo, em que estavam seu filho e uma mulher. Ele atirou contra os dois e se matou com um tiro na cabeça.

Ao menos três pessoas sobreviveram ao ataque e estão internadas em hospitais da cidade. Outras duas,  adolescentes, conseguiram se esconder em banheiros da casa e não se feriram.

Arquivo pessoal
Socorro chega ao local da chacina em Campinas que resultou em 13 mortes

'Só pensei em correr para pedir socorro', diz vizinha

Igreja ajudou vizinhos

Uma igreja evangélica que fica em frente da casa em que a chacina ocorreu estava cheia no momento do crime. Na hora do tiroteio, o templo da Igreja Presbiteriana do Brasil contava com 80 pessoas que participavam de um culto de Ano-Novo.

Rafael Luchini, técnico de logística, estava na igreja e contou que, na hora, não conseguiu distinguir os tiros dos fogos de artifício que explodiam no céu do bairro.

"Escutamos os disparos, mas somente o segurança da igreja conseguiu identificar que eram tiros. Quando a polícia chegou, abrimos a porta do templo para auxiliar quem estava ali. Demos água e consolo. Conseguímos dar um certo suporte para quem estava desesperado", contou Luchini que também mora no bairro.

Segundo ele, a Vila Proost de Souza é um bairro tranquilo. Há seis anos vivendo por lá, Luchini nunca tinha ouvido falar de nada parecido.

"Aqui tem furto de carro, essas coisas. Mas tiroteio e assassinato, não. É um bairro sossegado, cheio de famílias. Esse crime acabou com a festa", disse Luchini que pretende participar do culto da noite de hoje para rezar pelas vítimas e pelas famílias envolvidas na chacina.

Vizinho grava chegada de socorro a chacina em Campinas

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos