Funcionários públicos doam sangue durante a greve para evitar corte de ponto

Fernando Cymbaluk

Do UOL, em São Paulo

  • Fernando Cymbaluk/UOL

    Hemocentro de São Paulo teve movimento um pouco acima do normal em dia de greve geral

    Hemocentro de São Paulo teve movimento um pouco acima do normal em dia de greve geral

Trabalhadores foram doar sangue nesta sexta-feira (28) para poderem justificar o dia sem trabalhar e participar das mobilizações da greve. Foi isso que o UOL ouviu ao visitar o hemocentro localizado no Hospital das Clínicas, em São Paulo. O local recebeu hoje uma quantidade de doadores um pouco maior do que a média diária, segundo a assessoria de imprensa da Fundação Pró-Sangue.

Todos com quem a reportagem conversou já tinham doado sangue outras vezes – alguns, dezenas de vezes. E todos também afirmavam estar "juntando o útil ao agradável", ajudando alguém que necessita de sangue e conseguindo o abono do dia parado.

Funcionários da Prefeitura e do governo do Estado de São Paulo disseram que essa era a única saída já que tanto o governador Geraldo Alckmin quanto o prefeito João Dória, ambos do PSDB, afirmaram que iriam descontar o dia de quem aderisse à greve.

"Meu chefe disse que não vai abonar a falta", conta um funcionário do governo do Estado que não quis se identificar. Ele afirma que sempre doou sangue. Mas desta vez aproveitaria a boa ação para evitar um desconto no salário devido ao dia em que cruzou os braços. "Sou contra todas as reformas na forma que estão sendo propostas, sem consulta ao povo, por um governo golpista", afirma, explicando o porquê de sua adesão ao movimento grevista.

Na fila para a doação de sangue também havia funcionários públicos da Prefeitura de São Paulo. Uma mulher que também não quis se identificar afirma que recebeu vídeos falando que teria o ponto cortado caso não aparecesse no trabalho hoje. "Antes, a gente conseguia repor quando tinha greve, aos sábados. Mas agora a prefeitura está sendo intransigente", afirma. Ela já doou sangue 19 vezes na vida. Os dois afirmaram que iriam participar das manifestações de rua previstas para acontecerem no fim da tarde.

Eva Alves, 56, trabalha na USP (Universidade de São Paulo), contou que não sabia se teria o ponto cortado caso aderisse à paralisação.  "Ninguém falou nada como ia ser. Quando chegar lá [no trabalho], vou falar que doei sangue", diz. Ela conta que doa sangue desde os 18 anos, mas que estava há cinco anos sem doar. "A gente vai deixando de doar. Mas agora vou voltar", afirma.

Entre os doadores grevistas também era possível encontrar bancários e funcionários de empresas privadas. O bancário Lúcio Miranda, 37, diz que viu em mensagens nas redes sociais que era possível abonar o dia sem trabalho doando sangue. "Mas não vim pensando só nisso", afirma. "Aproveito a oportunidade para ir na manifestação na Paulista", completa.

Fernando Cymbaluk/UOL
O contador Guilherme Brandão, 22, e sua chefe,Silvia Avalos, 38 (à esq.) e o bancário Lúcio Miranda, 37 (à dir.); eles aderiram a greve e aproveitaram o dia para doar sangue e participar de protestos

Para o contador Guilherme Brandão, 22, não bastou cruzar os braços em apoio à greve geral e aproveitar o dia para doar sangue. Ele ainda convenceu a sua chefe, Silvia Avalos, 38, a fazer o mesmo. "Eu já estava pensando em aderir à greve. Mas não para ficar em casa parado", conta.

Na fila da triagem para realizar a doação, eles demonstravam descontentamento com as reformas propostas pelo governo. "Quero me aposentar um dia", afirma o contador. Brandão temia também a picada na veia que estava prestes a sofrer. "Já doei, mas sempre dá um medinho".

Em uma greve geral, que não está relacionada a negociação de aumento salarial, os empregadores podem fazer o desconto do dia de trabalho se a pessoa não for trabalhar. Contudo, a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) diz que o empregado poderá deixar de comparecer ao serviço sem prejuízo do salário por um dia, em cada 12 meses de trabalho, em caso de doação voluntária de sangue devidamente comprovada. 

Doar é ato voluntário e altruísta

O aumento do movimento de doadores neste dia de paralisação é visto como positivo pela Fundação Pró-Sangue. Isso porque o estoque de sangue do hemocentro caiu 30% nas últimas semanas, e está em estado emergencial. De acordo com a entidade, a doação de sangue deve ser um gesto voluntário e altruísta, cujo propósito é salvar vidas, e não ganhar algo em troca.

A média de atendimento no hemocentro do Hospital das Clínicas é de 300 pessoas por dia. A capacidade de atendimento é de 1.000 pessoas. Por volta do meio dia, cerca de 128 pessoas tinham sido atendidas. De acordo com a assessoria de imprensa da instituição, o movimento estava um pouco acima da média. Outros fatores podem ter contrabalanceado a quantidade de doadores, como o feriado prolongado de 1º de Maio, que pode ter causado queda natural do número de doadores.

Greve ocorre em protesto contra reformas

Diversos atos e paralisações estão acontecendo nesta sexta (28) no país em protesto contra as reformas da previdência e trabalhista propostas pelo governo Michel Temer. Articulada por movimentos sociais, sindicatos e partidos de oposição, a greve geral interferindo no funcionamento de serviços básicos como transporte público, escolas e bancos.

Manifestantes argumentam que os projetos em questão retiram direitos dos trabalhadores ao alterar pontos da CLT (Consolidação das Lei do Trabalho) e endurecer as regras para conseguir a aposentadoria.

Veja dez textos para entender o que está em jogo na greve geral do país.
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos