PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Idosa desafia Tropa de Choque durante protesto violento no Rio

Protesto no Rio tem bombas perto da Alerj

UOL Notícias

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, no Rio

29/04/2017 04h00

A servidora pública federal Arlene Carvalho, 70, não se intimidou diante de policiais da Tropa de Choque da PM do Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (28), durante o violento protesto que marcou a greve geral contra as reformas trabalhista e da Previdência defendidas pelo governo Michel Temer (PMDB).

A idosa, que disse ter acompanhado o ato desde o começo e presenciado uma "postura truculenta" da polícia, foi cortejada por outros manifestantes depois de se posicionar à frente de um cordão formado por militares e fazer um discurso carregado de críticas.

"Eu tenho idade para ser mãe de vocês", afirmou a ela a um dos PMs, em meio a bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha que eram disparadas no entorno da avenida Rio Branco, no centro da capital fluminense.

Ao UOL, Arlene afirmou não concordar com os atos de vandalismo que antecederam a ação mais ostensiva da Polícia Militar, mas reclamou que toda a praça de guerra no centro do Rio teria sido originada no começo da manifestação, por culpa da polícia.

"O pessoal estava na Alerj tranquilamente e eles começaram", disse ela, referindo-se ao momento em que os ativistas se organizavam para sair em passeata pela rua Primeiro de Março, em frente à Assembleia Legislativa do Rio. Na ocasião, foram lançadas bombas de gás e de efeito moral pelos militares que faziam a segurança da sede do Legislativo e que estavam atrás das grades afixadas na rua.

"Concordo plenamente que não se deva depredar. A manifestação não é para isso. Essa não é uma luta de um movimento só. É a luta de todos. Daquele que trabalha 40 anos e não vai poder se aposentar. Vai morrer trabalhando", completou ela.

A reportagem tentou abordar os policiais, mas eles saíram em retirada logo depois por conta de novos confrontos em uma área próxima ao Theatro Municipal e à Câmara de Vereadores. Outros policiais presentes no local não quiseram comentar.

O ato realizado nesta sexta reuniu as centrais sindicais e movimentos sociais de esquerda, mas também contou com a presença de black blocs. Durante a passeata pela Primeiro de Março, uma minoria formada por pessoas mascaradas e outras pessoas deixaram um rastro de depredação. Agências bancárias foram quebradas, placas de sinalização foram arrancadas, entre outros atos de vandalismo.

Posteriormente, as cenas se repetiram na avenida Rio Branco e na praça da Cinelândia. A PM respondeu com o uso massivo de equipamento não letal. Até mesmo homens da divisão de elite da corporação, o Bope (Batalhão de Operações Especiais), foram acionados para conter os tumultos. A Tropa de Choque disparou centenas de bombas e balas de borracha. Durante a confusão, ao menos oito ônibus e um carro foram incendiados.

Cotidiano