Petrobras

Refinaria abortada pela Petrobras cria cenário de cidades fantasmas no MA

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Bacabeira e Rosário (MA)

  • Beto Macário/UOL

    Prédio de seis andares está abandonado em Bacabeira, no Maranhão, após Petrobras cancelar obra de maior refinaria da América Latina

    Prédio de seis andares está abandonado em Bacabeira, no Maranhão, após Petrobras cancelar obra de maior refinaria da América Latina

O sonho de ganhar a maior refinaria da América Latina levou os municípios de Bacabeira (a 61 km de São Luís) e Rosário (a 69 km da capital maranhense) a viver dias de prosperidade, mas isso durou apenas até o início de 2015. 

No dia 28 de janeiro daquele ano, em meio à crise e às denúncias de corrupção, a Petrobras anunciou o cancelamento da obra. Quase dois anos e meio depois, a região coleciona construções abandonadas, que mais lembram cidades fantasmas, ao lado do que seria a refinaria Premium 1. 

"Investi o que tinha e o que não tinha para construir 20 quitinetes e alugar a trabalhadores. Pago até hoje e não tive retorno nenhum. Virou um elefante branco", conta Helena Maria de Souza, 56, empresária de Rosário. "Quando olho, me dá tristeza", completa.

Beto Macário/UOL
Prédio com quitinetes em Rosário, para funcionários do que seria a maior refinaria da América Latina, está praticamente vazio
A área onde seria erguida a refinaria equivale a 250 campos de futebol e foi toda tratada para receber o empreendimento. Mesmo sem erguer tijolos, a preparação e as indenizações custaram R$ 2,6 bilhões (valores atualizados) entre 2008 e 2014. Após o aterro e a destruição da vegetação, que causaram um dano ambiental considerado irreversível, a área está tomada pelo mato.

Helena e o marido já eram donos de um restaurante e de um hotel em Rosário. No início da década, ela diz que a chegada de trabalhadores e o avançar da obra alavancaram a economia da cidade e os inspiraram a investir.

"Quando começou a obra, alugamos o hotel para a construtora, e o tempo todo eles diziam que investisse, que ia ter retorno. Então, o que ganhei com o aluguel investi [nesse negócio]. Poderia ter guardado, mas fui cair nessa besteira", diz.

Ainda pagando pela obra, ela revela que apenas duas das 20 quitinetes estão alugadas. "Não sei nem o que fazer. Aqui no comércio está tudo parado. Tem dia que dorme eu e meu marido só no hotel. Hoje mesmo só tem dois hóspedes, e temos 16 quartos", afirma.

Beto Macário/UOL
Construção abandonada às margens da BR-402
Cenário fantasma

O UOL visitou as duas cidades e viu um cenário de prédios inacabados e abandonados por toda a BR-402, que liga as duas cidades e onde seria erguida a refinaria --que deveria ter entrado em operação em 2015. 

Em muitos trechos, as construções fechadas e inacabadas lembram uma cidade fantasma. "Tá tudo parado, não tem serviço para ninguém. Muita gente foi embora. Se não fosse a minha roça, não teria do que viver", conta o agricultor Sidnei Vieira, 34, que foi um dos desalojados pela obra da refinaria e recebeu terras e uma casa da Petrobras. 

Beto Macário/UOL
Rosmino dos Santos, 55, e Sidnei Vieira, 34, agricultores em Rosário (MA), reclamam da falta de oportunidades de trabalho hoje na região
Hoje, ele e mais cerca de 40 famílias moram no conjunto Val Paraíso, em Rosário. "Deram essa terra, mas não serve para plantação porque é uma área alagada, não segura nada que plante. A terra boa era a que eles tiraram de nós", afirma Rosmino dos Santos, 55.

O local da obra é protegido por seguranças, e o acesso --também protegido por cercas-- é proibido. Por ora, não há informações sobre o que o será do local, que foi terraplanado e está inutilizado para a agricultura. 

"Veio muita gente de outras cidades que imaginava ganhar dinheiro", conta Raimundo da Silva, 58, que mora em Bacabeira, em frente à obra. "Era muita gente aqui, animou o comércio, mas acabou tudo."

Entre os moradores, o anúncio da Petrobras caiu como uma bomba. "Todo mundo se frustrou demais, todos esperavam viver dias melhores", completa a mulher de Raimundo, Antônia Almeida, 54.

Beto Macário/UOL
Raimundo da Silva, 58, e Antônia Almeida, 54, contam que Bacabeira esperava dias melhores com a construção da refinaria inacabada

Governo busca novos parceiros para projetos

Procurada, a Petrobras informou apenas que o projeto das refinarias Premium 1 e 2 "não constam no seu Plano de Negócios e Gestão 2017-2021 e não há intenção de participar como sócia em eventual retomada do projeto".

A empresa não informou o que será feito da área e disse não ter conhecimento de ações individuais de ressarcimento relacionadas ao cancelamento da obra.

Já o governo do Estado garante que não desistiu da proposta e busca parceiros para levar adiante a obra. Há também outras ideias para as cidades, como um parque ecológico que será erguido na cidade de Bacabeira.

Além disso, o governo informou que já possui memorandos assinados com empresas e que vai anunciar projetos em breve quando tiver algo "mais concreto".

Beto Macário/UOL
Estabelecimento fechado em Rosário (MA) é cena comum na região

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos