Manifestantes protestam contra e a favor de filósofa americana Judith Butler em São Paulo

Janaina Garcia

Do UOL, em São Paulo

Cerca de 70 pessoas protestaram na manhã desta terça-feira (7) em frente ao Sesc Pompeia, na zona oeste de São Paulo, contrária e favoravelmente à filósofa norte-americana Judith Butler, referência mundial no estudo da teoria de gênero.

Os grupos opostos se reuniram em frente à entrada principal do Sesc, onde Butler participaria da abertura do do colóquio "Os Fins da Democracia", organizado pela USP (Universidade de São Paulo), em conjunto com a Universidade da Califórnia, em Berkeley, nos Estados Unidos, onde a filósofa leciona.

Os grupos contrários à filósofa reclamaram da "ideologia de gênero" apregoada no discurso de Butler, principal expoente da teoria queer --campo para o qual o gênero, a orientação e a identidade sexual são resultados de uma construção social, e, portanto, não biológicos. Uma petição online, no site CitizenGo, chegou a reunir mais de 360 mil assinaturas pelo cancelamento da palestra da filósofa em São Paulo nas últimas semanas.

Kevin David/A7 Press/Estadão Conteúdo
Manifestantes protestam contra a filósofa Judith Butler, que veio ao Brasil para participar de um evento no Sesc Pompeia

"Não podemos permitir que a promotora dessa ideologia nefasta promova em nosso país suas ideias absurdas, que têm por objetivo acelerar o processo de corrupção e fragmentação da sociedade", diz um trecho do texto da petição, que também usava a hashtag #ForaButler.

Entre os manifestantes contrários à palestra de Butler, eram comuns os gritos pela "família" e pela "tradição". Eles queimaram o boneco de uma bruxa, com o rosto de Butler, aos gritos de "queimem a bruxa!"

Já os grupos favoráveis à norte-americana criticaram o que classificaram como tentativa de boicote à liberdade de expressão. Com cartazes e gritos de guerra, disseram "bem vinda, Butler", do lado oposto do portão onde estavam os críticos da filósofa -- entre os quais, membros do Instituto Plínio Corrêa de Oliveira, ligado à TFP (Tradição, Família e Propriedade), com cartazes que traziam a mensagem "Buzine em favor do casamento como Deus o fez --1 homem + 1 mulher".

A assessoria de imprensa do Sesc informou que não comentaria os protestos. Em sua fala inicial, na abertura do colóquio, Butler agradeceu ao Sesc por não ter cancelado a participação dela no evento.

Fábio Vieira/Fotorua/Estadão Conteúdo
Manifestantes contrários e também apoiantes a Butler participam de ato no Sesc Pompeia

Elite cultural impõe "agenda progressista"

No grupo contrário à filósofa, Felipe Braga, 23, vigilante patrimonial, falou ao UOL sobre o porquê do ato hoje. "Pouco importa se é a Judith Butler, porque ela poderia ser qualquer outra coisa", disse.

"Se eu visse a cara dela, também não ia bater nela na rua, mas o que a gente tem que sempre ter em mente, e ser extremamente contra, é que exista uma elite cultural, financeira, econômica e política que, através do seu poder aquisitivo e de influência sobre a mídia, impõe a sua agenda progressista sobre as pessoas", continuou Braga.

Janaina Garcia/UOL
Washington Castilho (à esq.) e Felipe Braga disseram ser contra um discurso "bancado por uma elite cultural"

"Eu, como pai de família, tenho pleno direito de defender que a minha filha seja heterossexual e educá-la assim ou como homossexual; é meu direito", concluiu.

Desempregado, o também vigilante patrimonial Washington Mendonça de Castilho, 31, disse discordar das ideias da filósofa norte-americana "por uma questão simples".

"As figuras de masculino e feminino são importantes até para os homossexuais, transexuais e outros. É através dali que eles tiram sua visão de mundo, se espelham naquelas figuras. Se você acabar com o masculino e o feminino, o que resta? Até a questão homossexual se perde. Essa esquerda que está aí está se perdendo em um discurso bancado por uma elite cultural, econômica e artística", pontuou Castilho.

"Ela, Judith, é bancada por isso, tem conexões com a ONU e cresceu em uma sociedade extremamente liberal", reforçou.

Com um cartaz rosa exibindo a mensagem "Viva as princesas do Brasil", uma manifestante que se identificou apenas como Rose assim definiu a motivação pessoal para protestar contra Butler: "A ideologia de gênero vem destruir os nossos valores."

Paulo Lopes/Futura Press/Estadão Conteúdo
Manifestantes contra e a favor da filósofa americana Judith Butler se reúnem em frente ao Sesc Pompeia

"Defendemos a democracia"

Entre os manifestantes que defenderam a presença de Butler no país, o tom geral dos argumentos era o de "liberdade de expressão" a ela.

"Estamos aqui porque a democracia é feita da possibilidade de nos expressarmos sobre qualquer questão. Mas essas pessoas fazem uma leitura equivocada da fala de Judith, que expressa justamente a possibilidade de se sobreviver às agressões em ambientes como escola, família e trabalho independentemente do que os cidadãos pensem. A família tradicional muitas vezes é a real abusadora, basta ver quantas pessoas são vítimas hoje de violência doméstica. Mas os manifestantes não citam isso", criticou o psicólogo Gabriel Siqueira, 38.

Janaina Garcia/UOL
Marcos Gama, do coletivo "Porcomuna", do Palmeiras, e Walter Faceta, do "Democracia Corintiana", se posicionaram a favor da presença de Butler no país

Amigos e torcedores de times adversários, Marcos Gama, do coletivo "Porcomuna", do Palmeiras, e Walter Falceta, do "Democracia Corintiana", também se posicionaram a favor da presença de Butler no país.

"Como o próprio nome do coletivo expressa, defendemos a democracia, e isso está expresso no direito à manifestação do livre pensamento de Butler", declarou Falceta. "Quem incita o ódio deve ser combatido de maneira veemente, o que, no nosso caso, é uma forma de honrar a tradição corintiana de tolerância à diversidade", complementou.

O integrante do coletivo palmeirense fez coro ao corintiano. "É papel das torcidas progressistas participar de um despertar democrático do Brasil", opinou.

Janaina Garcia/UOL
Cartaz de manifestante contra a filósofa norte-americana Judith Butler

"Em que século estamos?", questiona Butler

Apesar da repercussão de suas pesquisas sobre a teoria de gênero, nenhuma das conferências da filósofa em São Paulo --hoje e na última terça (6) à noite, na Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) ---seriam sobre o tema. Elas se concentrariam em temas relacionados à democracia e à crítica dela ao sionismo.

Em sua fala no Sesc, Butler destacou que, nos tempos políticos atuais, e em diferentes partes do mundo, ideologias rechaçadas no passado não estão superadas –como as que apregoam o fascismo, o racismo ou a supremacia branca. "Em diferentes partes do mundo, parece que estamos nos perguntando: 'Que horas são? Em que século estamos?' Nossas ideias de progresso estão nos iludindo", afirmou. "Alguns de nós achávamos que havíamos conquistado essas forças políticas. Mas elas não foram vencidas, e a luta contra elas é constante", sugeriu.

Para a filósofa, no entanto, essa sensação de "desorientação" com o avanço de correntes ultraconservadoras deve servir ao menos para se chamar o cidadão a "pensar sobre as condições históricas em que nos encontramos" e "a nos opor à violência e dominação que muitos projetos nessa rubrica de significação representam".

Sesc-SP/Divulgação
A filósofa norte-americana Judith Butler, 61, em conferência no Sesc Pompeia, em São Paulo

A norte-americana citou o avanço da política autoritária no mundo, alertou para o que criticou como "naturalização" desse fenômeno e destacou nesse contexto o populismo de direita nos Estados Unidos e na Europa e a ação desses grupos, via correntes evangélicas, na América Latina.

"Muitos estão ainda esperando a democracia agarrando a chance de realizar as suas possibilidades. Onde quer que estejamos nos debates é justo dizer que vacilamos entre a esperança e o medo. Precisamos articular os fins da democracia a fim de realizá-la na nossa vida", defendeu Butler, para quem o movimento cultural e filosófico conhecido como Escola de Frankfurt, na Alemanha, na primeira metade do século passado, não identificou corretamente, em seu tempo, as demandas geradas por formas de dominação –entre as quais, o fundamentalismo e o fascismo. "Pensar é um ato histórico".

"Não podemos nos livrar das nossas histórias. A luta pela liberdade é também a luta pela expressão e o pensamento livres, e não a reprodução dos poderes repressivos mesmo quando esse pensamento amedronta muita gente", afirmou. "Quando o povo é plural é heterogêneo, o pensamento deve conhecer e praticar as distâncias. O estranho é que esses desejos democráticos sejam considerados 'perigosos' por quem, na verdade, almeja desviar a atenção da violência, da repressão e das desigualdades de poder. Talvez a democracia também exija ideais como igualdade, liberdade e justiça como práticas, não só idealização", sugeriu.

Oposição também nas redes

No Facebook, um ato de "repúdio à maior propagadora da ideologia de gênero", marcado para acontecer em frente ao Sesc, reunia mil pessoas confirmadas até o fim da manhã desta terça-feira. Já outro ato a favor da filósofa, com a proposta de fazer um "cordão de proteção" a ela, tinha 1.329 confirmados.

Autora de pelo menos 20 livros, Butler, que tem 61 anos, é mais conhecida por sua obra "Problemas de Gênero: Feminismo e Subversão da Identidade", lançado em 1990. Essa é a segunda vez que a filósofa vem ao Brasil. Em 2015, ela participou de um evento no Sesc Vila Mariana. Na época, um grupo de cerca de 10 pessoas protestou contra a presença dela no local.

Fábio Vieira/Fotorua/Estadão Conteúdo
Manifestantes contra e a favor de Butler se reúnem em frente ao Sesc Pompeia

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos