Ator negro espancado depõe, e delegada diz que racismo pode ter sido "impressão pessoal dele"

Janaina Garcia

Do UOL, em São Paulo

  • Newton Menezes//Futura Press/Estadão Conteúdo

    O ator Diogo dos Reis Cintra, 24, depois de prestar depoimento no 1º Distrito Policial, em São Paulo (SP), nesta terça-feira (21)

    O ator Diogo dos Reis Cintra, 24, depois de prestar depoimento no 1º Distrito Policial, em São Paulo (SP), nesta terça-feira (21)

A Polícia Civil de São Paulo considera a hipótese de o racismo alegado pelo ator negro Diogo Cintra, 24, ter sido uma "impressão pessoal dele", e não um crime cometido por seguranças do terminal de transporte público Parque Dom Pedro, no centro da capita paulista.

A afirmação foi feita nesta terça-feira (21) pela delegada do 1º Distrito Policial, Gabriela Carvalho Pereira, depois de tomar por quase seis horas o depoimento do ator.

Cintra foi espancado na madrugada da última quarta-feira (15) por um grupo que o havia assaltado próximo ao terminal. Antes das agressões, ele chegou a pedir ajuda a seguranças do terminal, mas os funcionários ouviram do grupo que assaltara Cintra que, na verdade, o rapaz era o assaltante. Com isso, permitiram que o jovem fosse arrastado pelo bando para apanhar do lado de fora do Parque Dom Pedro.

A ação foi flagrada por câmeras de segurança, e os funcionários envolvidos no caso, segundo a Secretaria Municipal de Transportes, foram afastados.

Para a delegada, a vítima "contou em detalhes" o que aconteceu, mas "foi categórica em dizer que a agressão não partiu dos seguranças do terminal", e sim, de dois dos assaltantes do grupo.

"Ele foi indagado se, em algum momento, foi proferida alguma palavra, se foi exteriorizado esse racismo, mas ele disse que escreveu isso no post [no Facebook, onde Cintra divulgou primeiramente o caso] como uma impressão pessoal dele – inclusive, o inquérito não foi para outra delegacia, especializada", explicou a delegada.

Na avaliação da policial, o racismo na situação teria sido "a primeira impressão que ele teve". "Porque ele achou que, se fosse branco, talvez o tivessem escutado, e os seguranças não escutaram --mas permitiram que fosse conduzido pelos autores da agressão. A injúria racial tem que ser externada por palavras, mas estamos apurando e ainda não estou dizendo que não teve", definiu.

Indagada se a abordagem não teve conotação racista, a delegada reforçou que uma das perguntas do inquérito era explícita quanto à abordagem de acordo com a cor da pele.

"Na oitiva dele, perguntamos se, em algum momento, ele havia sido discriminado verbalmente em função da etnia. Ele disse que não, mas avaliou que se sentia assim discriminado. Por enquanto, o caso não está configurado, ainda, portanto, como injúria racial", finalizou.

Nos próximos dias, a Polícia Civil vai intimar funcionários do terminal a prestarem depoimento e prosseguir em um "trabalho de campo" que não foi detalhado pela delegada a fim de não atrapalhar as investigações.

Diogo Cintra exibe as marcas das agressões sofridas na semana passada

"Qualquer outra pessoa branca sairia ilesa", diz ator

Em entrevista ao UOL após o depoimento, o ator admitiu que não ouviu palavras racistas, mas ponderou que "as ações foram racistas".

"Não é porque eu não fui xingado em razão da cor da minha pele que não teve racismo na situação. As ações foram racistas, o que, para mim, é até pior. Racismo eu já sofri ao longo da minha vida, mas o que é dito mais me fortalece que me ofende; tudo o que eu sofro eu coloco no meu trabalho", disse. "O pior é negarem ajuda para você dentro de um estabelecimento público em que eles são obrigados a nos proteger – mas preferiram achar que eu era o bandido", completou.

"Os caras me espancaram na frente deles [seguranças]. A ação é racista, sim, porque qualquer outra pessoa branca sairia ilesa, pois os funcionários iriam protegê-la", relatou.

Cintra afirma já ter passado por racismo em outras situações na vida – como quando participou de um congresso, em Goiás, em 2011. "Fui atravessar a rua, e um sujeito passou de carro e me chamou de 'macaco'. Já ouvi também outras coisas do tipo, mas nunca denunciei. Agora, não deixei passar."

"O relevante é o fato de eu estar vivo e podendo trabalhar"

Sobre o que espera com a exposição do caso e com as investigações, ele responde: "Eu até quero acreditar na nossa Justiça, mas não consigo, porque já vi muita coisa. Por mais que agora eu saiba que estão empenhados, minha desconfiança quanto ao desfecho disso é enorme. Porque não tinha nenhuma palavra sobre racismo, não foi racismo? A gente está perdido", lamentou.

Ele admite também que sofreu ataques pelas redes sociais, além de manifestações de apoio. "Sim, e eu digo que não é 'vitimismo' mesmo. Alguns desses ataques eu até respondi, mas, para mim, o relevante é o fato de eu estar em pé, vivo e podendo trabalhar."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos