Violência no Rio

157 tentou mudar aparência e sugeriu propina a policiais: "Vocês podiam fazer suas vidas"

Hanrrikson de Andrade e Luís Adorno*

Do UOL, no Rio e em São Paulo

O traficante Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, capturado em uma ação policial na favela do Arará, zona norte do Rio de Janeiro, se entregou sem esboçar reação, reconheceu o delegado à frente das investigações e sugeriu propina aos agentes envolvidos na ação.

"Conseguimos uma prisão emblemática", afirmou o secretário de Segurança, Roberto Sá. "[Ele é um] Criminoso que há mais de dez anos vem causando problemas para o Rio de Janeiro." O traficante foi um dos pivôs da crise de segurança na Rocinha, na zona sul carioca, em setembro, quando o bando de Antônio Bonfim Lopes, o Nem, tentou invadir a comunidade para retomar o controle do tráfico.

O traficante permaneceu em silêncio durante depoimento à polícia e, depois disso, se reuniu com dois advogados. "Não teve depoimento. Ele só vai falar em Juízo. Vai manter o silêncio até lá. É uma estratégia da defesa", disse uma defensora do traficante que pediu para não ser identificada.

Segundo o delegado Gabriel Ferrando, Rogério 157 o reconheceu. "Ele falou: 'Doutor Ferrando'", disse o policial que foi delegado da Rocinha por anos. "Doutor, vocês podiam fazer as suas vidas", teria dito o traficante no momento da prisão.

A detenção ocorreu sem troca de tiros. "Ele se cobriu, tentou se disfarçar", complementou o delegado.

Veja também:

O delegado Gabriel Ferrando é um dos policiais que aparecem nas selfies feitas com 157. No entanto, em entrevista coletiva, ele afirmou que os policiais que fizeram as fotos "vão responder na Corregedoria".

Ferrando informou também que 157 estava tentando mudar sua aparência física. "Estava tentando mudar sua aparência, estava apagando tatuagens. Ele, inclusive, estava tentando apagar uma cicatriz no braço para impedir a sua identificação", disse o agente.

"Os policiais destacados nesta operação, além de já conhecerem ele com muito detalhe, tinham condições de fazer um reconhecimento mais detalhado, como tatuagem, cicatrizes. Isso foi fundamental", complementou o delegado.

A delegada Cristiana Bento disse que 157 vai para o presídio de segurança máxima Bangu 1. O secretário Roberto Sá informou que pedirá sua transferência para um presídio federal.

Segundo Cristiana, 157 vinha migrando de favela em favela e chegou ao Arará por volta das 3h de hoje.

"Ele vem migrando. Ele disse que não esperava [que a operação abarcasse a favela do Arará]. 'Não, eles não vão vir aqui'. Chegou às 3h de hoje. Não ia imaginar que íamos envolver 3.000 homens no Arará, que é uma comunidade pequena".

A favela da Rocinha é um local estratégico porque se localiza entre vias que ligam as zonas sul e oeste da capital. A comunidade fica próxima das praias mais badaladas da cidade, como Copacabana e Ipanema, com comércio de drogas, principalmente maconha e cocaína, sempre em alta.
 
O secretário de Segurança, Roberto Sá, disse que os tiros Rocinha na manhã de hoje não foram confronto, e sim traficantes do bando de Nem, rival de 157, comemorando a prisão do desafeto."A informação que eu tenho é que não houve conflito. Pessoas que fazem parte do grupo criminoso e estavam comemorando a prisão do Rogério 157."
 
*Colaboração de Giovani Lettiere, para o UOL, no Rio
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos