Correios perdem 20 mil postos de trabalho em 5 anos; funcionários iniciam greve à 0h desta 2ª

Gabriela Fujita

Do UOL, em São Paulo

  • Danilo Verpa/Folhapress

    Carteiros trabalham em bairro do Rio de Janeiro

    Carteiros trabalham em bairro do Rio de Janeiro

Trabalhadores dos Correios decidiram entrar em greve, por tempo indeterminado, a partir da meia-noite deste domingo para segunda. A categoria contesta, por exemplo, a não realização de concursos públicos desde 2011, para a reposição de postos de trabalho perdidos, e a "insistência" por parte da empresa para que funcionários aceitem ingressar em planos de demissão voluntária, que ganharam ênfase nos últimos anos, segundo a Fentect (Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e Similares).

É esperada a adesão dos 36 sindicatos filiados, em todos os Estados, "contra a retirada de direitos dos trabalhadores, as demissões e a privatização dos Correios".

"Não há nenhum impedimento para a realização de um novo concurso, provocando a queda na qualidade dos serviços da estatal", disse a federação, por meio de sua assessoria de imprensa.

Questionada pela reportagem, por telefone e por email, nos últimos dias 7, 8 e 9, a assessoria dos Correios não respondeu às perguntas sobre a realização de concurso público, a reposição de funcionários nem a possibilidade de a empresa ser privatizada. Apenas se pronunciou sobre o anúncio de greve.

"A empresa entende que é um direito do trabalhador. No entanto, um movimento dessa natureza, neste momento, serve apenas para agravar ainda mais a situação delicada pela qual passam os Correios e afeta não apenas a empresa, mas também os próprios empregados", afirmou, por meio de sua assessoria.

Corte de 20 mil funcionários em 5 anos

Uma redução de quase 20 mil funcionários foi conduzida pelos Correios (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos) nos últimos cinco anos. O quadro caiu de 125,4 mil empregados em 2013 para os atuais 106 mil --ou um corte de 15,5%.

A força de trabalho está sendo adequada, diz a companhia, com investimento em "automação da triagem e em inovações tecnológicas para melhorar os processos internos e aumentar a qualidade dos serviços prestados". Segundo a empresa afirma, a maioria dos desligamentos foi provocada pela adesão de funcionários ao Programa de Demissão Incentivada.

Para os sindicatos que representam os funcionários da empresa, o corte de pessoal é uma tentativa de "sucateamento", com o objetivo de manchar a imagem dos serviços prestados e levar a estatal a um processo de privatização.

A Fentect defende que, para não comprometer a qualidade na prestação do serviço, os Correios deveriam ter hoje um quadro de 140 mil funcionários.

Em sua resposta, os Correios afirmam que "a empresa não está sendo sucateada" e que "a atual gestão trabalha para recuperar e fortalecer os Correios", com a adoção de uma nova política comercial, "que permite maior participação dos Correios no segmento de encomendas".

Kevin David /Agência O Globo
Central de distribuição dos Correios (imagem de arquivo)

Estatal x privatização

"A gente não tem condição de afirmar se essa é uma intenção ou não [de privatizar os Correios]", diz Sandro Cabral, engenheiro com pós-doutorado em administração que é professor de estratégia do Insper. "A principal questão como contribuinte é: essa empresa, seja pública ou privatizada no futuro, vai fazer frente à nova realidade de comércio eletrônico? Esse tipo de mão de obra que os Correios têm está preparada para essa realidade? Não é só número de funcionários, é competência também", afirma.

Cabral diz entender que é necessário avaliar os prós e contras, com bastante transparência, ao considerar a privatização de uma empresa que presta um serviço social.

"Se você quebra o monopólio estatal, favorece a competição e passa essa empresa para algum grupo que é especialista no ramo, sem as amarras do setor público, podendo demitir, podendo contratar, estando livre de influências políticas. Pode ser uma opção a mais para o consumidor, ele pode escolher como vai mandar a carga. Essa competição pode ser benéfica", explica.

"Por outro lado, a gente não pode esquecer que os Correios cumprem uma função social muito importante. Eles entregam correspondências em áreas remotas que uma empresa privada talvez não se interessasse em atender. Uma privatização poderia ser ruim para esse tipo de usuário, caso esse processo de privatização não venha acompanhado de uma estrutura de regulação. Privatização não resolve todos os problemas."

Kevin David /Agência O Globo
Funcionário trabalha em central de distribuição dos Correios

"Serviço não fornecido" é principal motivo para reclamação

Há um total de R$ 8,28 milhões em multas aplicadas pelo Procon em São Paulo contra a empresa entre 2014 e 2017 e que ainda estão em tramitação. 

No Estado, considerando dados do Procon em 42 municípios, foram registrados 779 atendimentos referentes a problemas com os Correios: 27,3% por "serviço não fornecido" (como entrega e não cumprimento de contrato); 23,8% por "vício de qualidade" (mal executado ou inadequado); 5,5% por "serviço não concluído/fornecimento parcial"; e 5,3% por "recusa injustificada em prestar serviço".

No ano passado, a empresa ficou em 40º lugar no ranking das que mais receberam queixas (a primeira posição é a de pior desempenho).

Já nos primeiros dois meses de 2018, subiu para 32º lugar, com 284 queixas: 45,4% por "serviço não fornecido"; 14% por "vício de qualidade"; 7,7% por "serviço não concluído"; 6,6% por "extravio/avaria de carga, correspondência, mercadoria etc."; e 5,6% por "não entrega/demora na entrega do produto".

A Secretaria Nacional do Consumidor, que reúne dados de todos os Procons do Brasil, não respondeu aos pedidos de informações da reportagem sobre queixas aos Correios, realizados por email e telefone entre quarta e sexta-feira.

Avaliado como "pior empresa" no Reclame Aqui

No site Reclame Aqui, usado por consumidores para denunciar problemas em transações comerciais, os Correios foram avaliados como a pior empresa no país no início de março, considerando o período dos 30 dias anteriores. A demora na entrega envolvia a maioria das reclamações.

Em 2016, a empresa recebeu 32.283 reclamações no site. Em 2017, houve aumento de 27%, com 41.067 queixas.

No período dos últimos 12 meses, ficou na nona posição entre as empresas com mais reclamações. No dia em que a reportagem fez a consulta ao serviço, já era a segunda mais questionada do mês.

De acordo com o site, a empresa resolveu cerca de 37% dos problemas e não respondeu as reclamações.

A assessoria dos Correios não respondeu sobre o aumento de queixas registradas por má qualidade na prestação de seus serviços.

Dona de loja online reclama: "Quase surtei"

A empresária Soraya Gomes Ferreira tem quase tudo o que precisa para alavancar os negócios de sua loja online, aberta há nove meses: clientes que gostam de seus produtos e fornecedores à mão. Mas nem sempre consegue que as encomendas cheguem ao destino final dentro do prazo.

Logo que inaugurou o site para comercializar roupas femininas, em vez de comemorar uma de suas primeiras vendas, ela lidou com problemas. A cliente de Parnamirim, no Rio Grande do Norte, já tinha topado esperar 20 dias pela compra, enviada pelos Correios de São Paulo, mas só recebeu a encomenda 35 dias depois.

"Eu quase surtei", diz a empresária. "A cliente me ligou umas duas ou três vezes. Qualquer novidade [que eu tivesse] eu já dava um posicionamento para ela. E ficava em contato com os Correios toda semana."

Eles pediam um prazo de mais cinco dias e falavam que iam ver onde a encomenda estava. Foram três semanas negociando com eles

Soraya Gomes Ferreira, empresária

"Isso atrapalha na credibilidade com o consumidor. Por mais que eu envie pelos Correios, a responsabilidade é minha até chegar ao cliente. Corre o risco de o cliente cancelar o pedido ou de não acontecer a recompra por causa disso. Aí vai a reputação da marca", ela critica. "Tem alguns que entendem que a falha é dos Correios, mas outros dizem: 'Paguei o frete e quero a entrega dentro do prazo'. E não tem muito o que fazer."

Uma opção para evitar os atrasos seria contratar o serviço de uma transportadora, que oferece mais qualidade na logística e no rastreamento, de acordo com ela, mas cobra caro. "Eu teria que repassar o valor do frete para o cliente, e os Correios são a única empresa que entrega realmente no Brasil inteiro", afirma.

"Já não confio na qualidade do serviço" 

Situação parecida aconteceu com a enfermeira Priscilla Rios Munhoz, que mora na capital paulista. Ao comprar um edredom pela internet, um presente para a filha pequena, ela concordou em esperar um mês para receber o produto. Estampado com um personagem que a criança adora, já estava esgotado para a pronta entrega. Mas a encomenda chegou dez dias depois do prazo prometido.

"Eu me senti muito prejudicada", ela diz. "Minha percepção sobre os Correios mudou completamente. Sempre foi a de uma empresa fidedigna, honesta, pontual, e hoje não. Já não confio na qualidade do serviço."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos