PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Mesmo sob intervenção, Rio tem 5 mortes e tiroteios em 24 horas

Polícia Militar fez operação na Rocinha na noite de quarta (21), quando um PM e um morador morreram - Fabio Gonçalves / Agência O Globo
Polícia Militar fez operação na Rocinha na noite de quarta (21), quando um PM e um morador morreram Imagem: Fabio Gonçalves / Agência O Globo

Do UOL, no Rio

22/03/2018 14h01

A intervenção das Forças Armadas na segurança do Rio de Janeiro, em vigor há pouco mais de um mês, ainda não foi suficiente para colocar fim à rotina de violência no estado. Entre quarta (21) e quinta-feira (22), foram registradas ao menos cinco mortes com arma de fogo --três das vítimas são policiais militares.

Um deles, o soldado Filipe Santos de Mesquita, 28, morreu em um confronto na Rocinha, zona sul da capital, na noite de quarta-feira (21). No tiroteio, um morador da comunidade, o vendedor ambulante Antonio Ferreira da Silva, conhecido como Marechal, também morreu ao ser baleado quando atravessava a passarela da Rocinha. 

Também na quarta-feira morreram o sargento Maurício Chagas Barros, do 39º batalhão, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, e o cabo Luciano da Silva Coelho, que atuava em Cabo Frio, na região dos Lagos (ele estava de folga no momento do crime).

Barros foi baleado em um tiroteio durante operação na comunidade Gogó da Ema, quando policiais foram atacados por suspeitos, segundo informações da Polícia Militar.

De acordo com a PM, 29 policiais militares foram mortos no estado. Destes, dez estavam de serviço, 17 estavam de folga e dois eram aposentados.

Veja também:

Suspeito é morto na Ilha do Fundão

Ainda na noite de ontem, um homem foi atingido por uma bala perdida, no bairro do Maracanã, na zona norte. Renato Brito dos Passos estava em um bar na avenida Radial Oeste, às 20h30, quando uma tentativa de assalto a um PM, resultou em confronto. Renato foi atingido na barriga e levado ao Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, também na zona norte. Ele deixou a unidade de saúde na manhã desta quinta-feira (22).

O local onde Renato foi baleado fica a cerca de 700 m do estádio do Maracanã, onde ocorreu na noite de ontem o show da banda americana Pearl Jam.

Na manhã desta quinta-feira (22), um homem morreu em tentativa de assalto próximo ao Hospital Universitário Clementino Fraga Filho e à estação do BRT da Ilha do Fundão, na zona norte da cidade do Rio.

Identificado como Luis Martins, 21, o suspeito foi morto ao ser flagrado por policiais militares tentando roubar um veículo na avenida Brigadeiro Trompowski, próximo ao corredor do BRT.

Em um mês de intervenção federal na segurança, o número de tiroteios e disparos de arma de fogo registrados na região metropolitana do Rio entre 16 de fevereiro (início da intervenção) e 16 de março foi de 678 --queda de 4% em relação aos 30 dias anteriores--, segundo levantamento da organização não governamental Fogo Cruzado, feito a pedido do UOL. Na cidade do Rio, a diminuição foi de 449 casos para 385 --redução de 14%.

O interventor, general Walter Braga Netto, disse serem necessários R$ 3,1 bilhões em recursos para lidar com a crise da segurança pública até o final do ano. O presidente Michel Temer reafirmou, na noite de ontem a liberação oficial de R$ 1 bilhão para a segurança do estado. O montante, segundo ele, será liberado nos próximos dias.

Cotidiano